Guto analisa empate do Ceará e elogia Luiz Otávio: "a qualidade dele todo mundo conhece"

O zagueiro foi titular no jogo contra o Atlético-GO neste domingo (8)

Foto: Thiago Gadelha

O Ceará empatou com o Atlético-GO sem gols neste domingo (8) e ampliou a sequência invicta para 11 jogos na Série A. Em coletiva, o técnico Guto Ferreira reconheceu o resultado como fruto do equilíbrio e das poucas oportunidades das equipes na Arena Castelão.

“Ninguém teve uma chance maior, nós estivemos até mais perto, mas não fizemos. O jogo foi muito igual, a gente gostaria de ter vencido, mas faltou o gol. Chegamos no último terço, mas chute no gol, só quatro. Precisamos romper essa força de defesa dos adversários", reconheceu.

A partida também foi marcado pelo retorno do zagueiro Luiz Otávio. Afastado por cerca de dois meses para recuperação de uma lesão, o capitão teve uma atuação segura ao lado de Messias. Guto elogiou o defensor e ressaltou o nível técnico do atleta.

"O grande trunfo do bom retorno do Luiz Otávio foi o momento do Lacerda. Com isso a gente conseguiu mais três jogos dele no banco, treinando forte, e ele é um cara muito dedicado, se entrega muito. Aguentou os 90 minutos. É experiente, a qualidade dele todo mundo conhece", afirmou.

Na tabela, a equipe se mantém na 7ª posição, agora com 23 pontos. O próximo compromisso é contra o Corinthians no domingo (15), às 16h, em São Paulo.

Confira outros pontos da entrevista

Jogo contra Atlético-GO

"O Atlético-GO tem um perfil de jogo muito parecido com o nosso: marcação forte, pressão alta e saída boa. Tivemos dificuldade de romper a última linha. Tivemos algumas situações, mas dificuldade para fazer o gol. Foram 19 finalizações, mas no gol foram quatro. As finalizações do adversário foram sete, mas no gol foram duas. Mostra a força da defesa e que nós conseguimos chegar no último terço do campo, mas não conseguimos (o gol) até pela postura dos adversários. Temos de romper a zona de proteção".

Estreia de Erick

"O Erick é um jogador de criatividade, habilidade e que ficou mais de 15 dias parado, está sem ritmo. É a sequência de jogos que faz com que ele cresça. E hoje ele sentiu. Uma coisa é a Série B, outra é o confronto de Série A. São jogos de mais corpo, força e mesmo entrando no final, precisa se adaptar ao modelo de jogo. Pela qualidade dele, bom finalizador, pode agregar bastante".

Airton de centroavante

"O Airton é extremo e eventualmente pode entrar (de camisa 9) em necessidade. A gente colocou ele no final porque o Cléber estava muito desgastado, não era o melhor dele, e depois é um jogador que tem facilidade de jogar 2x1 rápido, aproximação, poderia conseguir alguma jogada no fim. Vai buscando o espaço".

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte