Felipe Alves revela vontade de construir futuro no Fortaleza: "espero renovar por mais e mais anos"

Bem adaptado no clube, o camisa 12 é peça fundamental no modelo de jogo do técnico Rogério Ceni

Legenda: Felipe Alves foi peça importante no Fortaleza em 2019
Foto: Foto: Thiago Gadelha/SVM

Em pouco tempo, ele conquistou o carinho da torcida e superou as dúvidas dos mais desconfiados. Felipe Alves se consolidou no Fortaleza com méritos e por sua capacidade como goleiro que vai além de ótimas defesas. Inserido no modelo de jogo, é peça fundamental no esquema do técnico Rogério Ceni. Com quase um ano e meio no clube, o camisa 12 revela vontade de permanecer no Tricolor por muito mais tempo.

Prova disso é que recusou propostas para deixar o Leão do Pici, como ele mesmo revelou, em entrevista ao programa A Grande Jogada, da TV Diário, nesta quinta-feira (21).

"Eu tinha uma conversa com o presidente (Marcelo Paz) que a minha prioridade era ficar no Fortaleza, desde que houvesse interesse do clube. As coisas se encaminharam e eu acabei renovando. Não tinha prioridade de sair, por melhor que fossem as propostas ou não. Acho que palavra é palavra. E eu sempre tive uma palavra bem direta com o presidente e as coisas acabaram se encaminhando da forma como foi. Eu tô muito feliz no Fortaleza, muito feliz em ter renovado, espero renovar por mais e mais anos, porque é um clube muito bom de se trabalhar", disse o arqueiro.

Felipe é extremamente importante debaixo das traves, onde ficou conhecido pelas defesas que ajudaram o Tricolor na campanha histórica realizada na Série A do Campeonato Brasileiro, em que o Leão do Pici terminou na 9ª colocação, a melhor classificação do clube na história da competição.

Mas, além disso, tem papel relevante também no modelo de jogo estabelecido por Rogério Ceni. Quando o time tem a posse de bola, o goleiro auxilia na construção ofensiva e participa da organização para atacar os adversários.

"Fica sobrando um jogador de linha nosso, porque o goleiro acaba sendo esse homem de linha a mais. É o que a gente acaba utilizando pra poder surpreender os adversários. É fazer essa superioridade numérica na saída e, furando-se linhas, a gente acaba deixando três, quatro jogadores adversários pra trás. É difícil o time pressionar o goleiro e depois recompor de maneira rápida. Então a gente tem a superioridade numérica pra atacar, e pegando jogadores rápidos pela beirada, com bom drible, se cria chance de gol pro nosso time. É um sistema que deu muito certo e o goleiro tem uma importância muito grande", explica.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte