Falta fôlego e poder de decisão em casa ao Fortaleza na Série A

Maioria dos gols que o Tricolor do Pici levou na 1ª divisão deste ano ocorreu nos últimos 45 minutos: foram cinco de oito derrotas do Leão. Desafio do time tricolor é reverter esse cenário negativo para o restante do Brasileirão

A tônica da derrota é a mesma: o Fortaleza pressiona no início, mas cai de rendimento, é vazado no 2º tempo e não encontra forças para reagir. Disputando a Série A do Brasileiro, o time parece mudar quando os primeiros 45 minutos acabam e tem sido castigado com resultados adversos. Na competição, das oito derrotas tricolores acumuladas, cinco ocorreram após sofrer gols na 2ª etapa, totalizando 62,5% das ocasiões.

O cenário foi assim contra Botafogo (1 a 0), São Paulo (0 a 1), Grêmio (1 a 0), Corinthians (1 a 3) e Internacional (0 a 1) - as exceções ficaram com Ceará (2 a 1), Flamengo (2 a 0) e Palmeiras (4 a 0), quando foi vazado no início.

Das partidas, a queda de rendimento ficou mais evidente diante do Timão, uma vez que a equipe criou muitas chances na Arena Castelão, chegou a abrir o marcador em jogada de Osvaldo e levou três gols em 15 minutos no 2º tempo, saindo derrotado na 12ª rodada.

O número de gols também é inferior com a chegada do intervalo. Com 16 gols marcados no Brasileirão, 7º pior ataque, apenas sete foram na etapa final. A quantidade de finalizações é outro índice que entra em declínio, mesmo jogando em casa.

No revés para o Internacional, na Arena Castelão, a equipe tricolor ditou o ritmo na etapa inicial e realizou 10 arremates. No entanto, o percentual caiu em 50% no restante do duelo. Como índice individual, a quantidade de divididas contra os gaúchos diminuiu de 32 para 15, enquanto o adversário cresceu de 18 para 21.

Um dos jogadores com maior intensidade e força de marcação no plantel tricolor, o volante Derley acredita que a queda nos dados é fruto da grande entrega da equipe no início da partida. Opção para atuar como zagueiro por conta da lesão do zagueiro Roger Carvalho, o atleta de 33 anos cobrou tranquilidade do elenco para administrar melhor a posse de bola e evitar o desgaste contra grandes adversários.

"No 2º tempo, estamos deixando o adversário mais com a bola. Como fazemos o 1º tempo com alta intensidade, no 2º tempo, o desgaste é praticamente dobrado. Precisamos ter mais concentração nessa volta do intervalo. Estamos pecando e não podemos errar na Série A. Dentro da nossa casa, contra adversário duríssimos, se errarmos um detalhe, acaba estragando o jogo, como foi contra o Corinthians".

Fator casa

Como mandante, o Fortaleza tem o 16º desempenho, com 47,6% de aproveitamento. Em sete partidas realizadas, a equipe conquistou 10 pontos, com três vitórias, um empate e três derrotas.

Na Arena Castelão, o time marcou oito vezes e sofreu a mesma quantidade de gols, aspecto que faz o Leão superar os números de apenas quatro equipes da Série A: Avaí (23,8%), CSA (25%), Fluminense (33,3%) e Chapecoense (37,5%).

O Tricolor também foi derrotado nas últimas três vezes que entrou em campo no estádio, contra Internacional, Corinthians e Ceará, sendo que o time não foi dono do mando no Clássico-Rei.

A baixa pontuação obtida se torna mais evidente quando se analisa o aproveitamento fora de casa, onde o Leão fez o mesmo número de gols (8) e tem só três pontos a menos, apresentando o 9º melhor panorama como visitante no Brasileirão.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte


Tom Barros 17 de Outubro de 2020