Com reforços importantes, Ceará define novo sistema defensivo

Diretoria do clube foi ao mercado para vencer baixas e trouxe nomes de peso como o goleiro Fernando Prass, que chega para ocupar a titularidade. Elenco também tem reforços para acrescentar nível técnico do time em 2020

Um Ceará em construção. Nos primeiros treinos em Porangabuçu, o técnico Argel Fucks avaliou o elenco, traçou padrões táticos e esboçou um possível time titular. Nesse cenário de experimentações, duas certezas: o esquema inicial é o 4-2-3-1 e o setor defensivo está definido.

 

A priori, tudo montado sem o atacante Rafael Sóbis, que segue se aprimorando fisicamente. Com 10 reforços anunciados, o Vovô tem o ferrolho esboçado com o goleiro Fernando Prass, os zagueiros Tiago Pagnussat e Luiz Otávio, além dos laterais Samuel Xavier e Bruno Pacheco.

Os nomes representam a remodelação de um setor que acumulou baixas significativas. Na zaga, por exemplo, Tiago Alves encerrou contrato e Valdo foi negociado com o Shimizu S-Pulse, do Japão, por US$ 800 mil (cerca de R$ 3,25 milhões na cotação atual). Contestado pela torcida, o lateral esquerdo João Lucas acertou a rescisão e busca um novo destino.

Assim, a resposta da diretoria alvinegra veio com evolução técnica. Voraz no mercado, o time contratou atletas com bagagem e recomposição, conseguindo ascender o nível do setor, principal pilar das últimas temporadas na Série A do Brasileiro.

Mesmo brigando na parte de baixo da tabela, o Alvinegro obteve a 9ª melhor defesa de 2019, com 41 gols sofridos, terminando na 16ª posição. A marca foi a mesma do ano anterior, quando foi vazado 38 vezes e ficou em 15º.

"O porto seguro do Ceará é o sistema defensivo pelo torneio que fez. Vou buscar o meu espaço com os companheiros, são quatro jogadores brigando por uma vaga, mas se tiver jogando, vamos entrosar bem para dar o máximo", explicou Tiago Pagnussat.

Elenco competitivo

A disputa interna é motivada pelas chegadas e os remanescentes. Apesar das cadeiras cativas no começo, o que fortalece o entrosamento, o time tem peças que buscam espaço no plantel alvinegro.

A começar pelo gol, que tem Richard e Diogo Silva na suplência. Enquanto o primeiro teve uma lesão que o tirou de boa parte da temporada, o segundo foi o 8º goleiro em número de defesas na 1ª divisão - as intervenções dentro da grande área ainda o colocam em 5º no ranking.

Prestígio que acompanha também as laterais, em intensidades distintas. Na direita, Eduardo, com a camisa da Chapecoense, foi o 4º da posição em cruzamentos precisos durante 2019, o que demonstra a vocação ofensiva.

Já na esquerda, a atenção está em Mateus Farias, cria de Porangabuçu. Capitão do time sub-20, o jogador tem o aval de Argel e foi integrado ao profissional.

A conclusão das alternativas para a defesa fica com os zagueiros. Polivalente, Eduardo Brock foi mantido no setor e tenta mais minutos: atuou em 19 partidas, sendo 14 exibições como titular.

A outra alternativa é Klaus, que veio do Internacional. Com 26 anos, o defensor participou de 13 jogos em 2019 e, com contrato em definitivo, é tido como promissor.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de esporte?