Ceará e Fortaleza avançam em treinos e já realizam atividades táticas

Depois de 21 dias com foco na preparação física e em atividades técnicas, Rogério Ceni e Guto Ferreira já conseguem realizar treinos voltados para a parte tática, essenciais para o desenvolvimento coletivo das equipes

Legenda: Com Leandro Carvalho, o grupo do Ceará está completo para treinos
Foto: FELIPE SANTOS / CEARASC.COM

Primeiros clubes do Nordeste a retomarem os treinamentos, Ceará e Fortaleza já acumulam três semanas cheias de trabalhos. Pioneiros na Região, os dois representantes cearenses na Série A do Campeonato Brasileiro têm evoluído de forma positiva nas atividades. Prova disso é que, após 21 dias, ambos já iniciam a quarta semana passando para uma nova fase de treinos, que envolve aprimoramento tático.

Isto é algo totalmente novo nesta retomada das atividades. As primeiras três semanas foram mais voltadas para a parte física. Era essencial recuperar o prejuízo de condicionamento pelos mais de 100 dias sem atividades presenciais. Preparadores físicos, nutricionistas, fisiologistas, fisioterapeutas e médicos foram fundamentais nos primeiros dias para que houvesse maior equilíbrio em relação ao estágio de cada jogador antes da paralisação.

Antes, os exercícios eram todos individuais, com grupos de poucos atletas, que treinavam em horários distintos. Além de atividades físicas, o primeiro momento contou também com treinos técnicos, específicos de cada função, e já com bola. Esta etapa foi importantíssima para todos, especialmente para os goleiros, por exemplo, que voltaram a trabalhar com bola após muito tempo.

Evolução tática

Agora, na quarta semana, tanto alvinegros como tricolores já estão treinando em grupos maiores, o que possibilita a Guto Ferreira e a Rogério Ceni a execução de treinos específicos voltados para a assimilação e fortalecimento do modelo de jogo, com a simulação de momentos reais que ocorrem nas partidas.

"Dentro do processo de evolução do protocolo, nós permanecemos ainda com a parte dos dois grupos separados e temos já algumas situações de enfrentamento. Enfrentamentos pequenos, 1x1, 2x2, e atividades de organização das linhas. Com situações de organização de saída de bola, organização de transição, organização da parte ofensiva. Fazendo exercícios táticos, tipo 10x0, e também organização na parte defensiva, da marcação pressão alta. Já organizando a equipe como um todo", explicou Guto Ferreira, em entrevista exclusiva ao Diário do Nordeste.

As palavras do treinador alvinegro já deixam claro que tem sido possível avançar na implementação de novas ideias. O exercício tático 10x0 citado pelo "Gordiola" consiste na disposição tática dos jogadores de linha da equipe titular sem nenhum adversário, apenas para ajustes de posicionamento no campo, que dá a dimensão de como o treinador quer que seus atletas ocupem os espaços e quais movimentos devem executar de forma coletiva.

Situação semelhante ocorre no Fortaleza. O Tricolor tem a vantagem de já estar no terceiro ano sob comando do técnico Rogério Ceni, que tem as ideias bem conhecidas e assimiladas por praticamente todo o elenco.

Legenda: No Fortaleza, os treinos com bola para goleiros são essenciais
Foto: BRUNO OLIVEIRA / FORTALEZAEC

"Agora, já conseguimos evoluir para os trabalhos técnicos e táticos, que são de suma importância. É um trabalho coletivo. Embora a gente ainda não possa fazer um trabalho em campo aberto, de 11x11, mas a gente já tem conseguido avançar dentro da nossa metodologia do treinamento integrado, contemplando diariamente os aspectos físicos, técnicos, táticos e comportamentais esperados dos atletas", garante Danilo Augusto, preparador físico do Leão do Pici.

A tendência é que tanto Ceará como Fortaleza possam evoluir ainda mais na próxima semana, com a expectativa de realização já de atividades com grupo totalmente integrado.

"Estamos já organizando a equipe como um todo, para que a gente possa, já na semana que vem, dentro do protocolo, ter atividades normais de treinamento", revela Guto, que é corroborado por Danilo. "Na próxima semana, acredito que já será possível aumentar o número de atletas por exercício, até chegar perto do que a gente já realizava, de acordo com nossa metodologia antes da paralisação".