Ceará ainda aguarda por 3 destaques ofensivos para a Série A

Os meias Felipe Silva e Wescley e o atacante Juninho Quixadá ainda estão no departamento médico, com os meias sendo liberados para treinar com bola no inicio de maio e o atacante ainda será avaliado por especialista postural

Legenda: Juninho Quixadá tem o caso mais sério entre os lesionados do Ceará
Foto: FOTO: THIAGO GADELHA

Recém chegado ao Ceará, o técnico Enderson Moreira certamente já fez um pente fino no elenco do Vovô, se informando sobre os jogadores que terá à disposição para a estreia do Campeonato Brasileiro da Série A, no domingo (28), contra o CSA, na Arena Castelão, às 16 horas.

>Enderson Moreira é apresentado e projeta Ceará na Série A: "Um time corajoso e ofensivo"


E para este jogo, um trio ofensivo de peso, entre os principais nomes do elenco ainda não estarão prontos para jogar, ainda entregues ao Departamento Médico do clube: os meias Felipe Silva e Wescley e o atacante Juninho Quixadá.

O chefe do departamento médico do Alvinegro, Henrique Bastos, explicou os casos dos três jogadores, destacando prazos para a saída do DM, ou seja, quando estarão aptos a treinar fisicamente no período chamado de transição.

Segundo ele, os dois meias, Felipe Silva e Wescley, com lesão no músculo posterior da coxa direita, serão liberados no dia 5 de maio e entregues ao departamento físico.
“No dia 5 de maio é a saída de ambos do DM. Eles irão para a transição, liberados para o departamento físico. A partir daí, a liberação para o treino e jogo é feito pela preparação física”.

>Departamento médico do Ceará rebate técnico Lisca e explica protocolo por Felipe Silva

Já o caso de Juninho Quixadá é mais delicado. O jogador vem tratando lesão no quadril em Bragança Paulista, com um fisioterapeuta especialista em postura que já o tratou de uma lesão semelhante. Henrique Bastos adiantou que o prazo de 15 dias que o jogador teria para evoluir o tratamento se encerra no domingo, data do jogo com o CSA, e assim, na data, o clube receberá um parecer do profissional para se ter um prazo para a volta dele.


“O Juninho pediu que fizesse a fase final do tratamento com um especialista que já tinha tratado ele. É um fisioterapeuta especialista em situações posturais. O Juninho vem semanalmente em Fortaleza para tratamento de ondas de choque conosco e o prazo de 15 dias para a fase final do tratamento se encerra no domingo. Se ele precisará de mais tempo ou será liberado logo, só o profissional que o acompanha pode determinar”.

Wescley
Henrique Bastos também esclareceu a situação do meia Wescley, quanto a uma diferença de tamanho nas duas pernas. O médico deixou claro que não há uma diferença de tamanho, e sim de força muscular.


“Não é que ele tenha perna mais curta. A divulgação disso foi equivocada pelo momento agitado. O que há é uma diferença de força e potência e não de tamanho, e sim quantidade de massa muscular, cerca de 40%. E esta diferença não é adequada a pratica esportiva. Estamos buscando para o atleta um equilíbrio entre as duas coxas. O protocolo está sendo muito bem feito para que o atleta não venha ter problemas novamente”, explicou Henrique.

William Oliveira
O volante William Oliveira, que saiu com dores no ombro ainda no 1º tempo do 2º jogo da final do Estadual, no último domingo, será reavaliado por um médico especialista em lesões no ombro. 


“Ele está com luxação no ombro. E isso requer avaliação de especialista de área. Assim, ele está impedido de participar de jogos, mas não de treinar. Aguardamos a avaliação para precisar se é caso cirúrgico”, finalizou Henrique.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte