Biles comenta sobre participação nas Olimpíadas de Tóquio: "deveria ter desistido muito antes"

A ginasta norte-americana falou das acusações de estupro contra o ex-médico Larry Nassar

Simone Biles com semblante de preocupação
Legenda: A ginasta norte-americana Simone Biles era considerada a principal atleta dos Jogos de Tóquio e não participou de algumas finais da modalidade
Foto: Loic Venance / AFP

A ginasta norte-americana Simone Biles mostrou arrependimento com a participação nas Olimpíadas de Tóquio, no Japão. Em entrevista à revista “New York”, a atleta comentou sobre a decisão de ficar fora de cinco das seis finais da competição e ressaltou que deveria ter parado antes do torneio.

A principal queixa envolveu a condenação do médico Larry Nassar, condenado a até 360 anos de prisão após molestar 265 mulheres, vítimas com atuação na seleção dos EUA de ginástica.

“Eu deveria ter desistido muito antes de Tóquio, quando Larry Nassar esteve na mídia por dois anos. Mas eu não ia deixá-lo tirar de mim algo pelo qual eu trabalhei desde os meus seis anos de idade. Eu não iria deixá-lo tirar de mim toda aquela alegria. Empurrei o passado para trás”, afirmou.

Bloqueio mental

No evento, após o desempenho de sucesso nos Jogos do Rio-2016, Biles afirmou sofrer com “twisties”, um tipo de bloqueio mental que resulta na perda da orientação no ar. Em processo de recuperação, iniciou terapia para o tratamento da ansiedade e da pressão da competição.

“Por conta disso, eu fiquei mais e mais nervosa. Eu não me senti tão confiante quanto deveria depois de ter treinado tanto quanto treinei. Isso é algo que eu devo trabalhar pelos próximos 20 anos. Não importa o quanto eu tente esquecer. É um trabalho em andamento”, completou.

No dia 15 de setembro, a estrela norte-americana prestou depoimento ao Comitê Judiciário do Senado dos EUA. Na ocasião, responsabilizou o FBI pelos erros na investigação que permitiram o abuso de inúmeros atletas na Federação Americana de Ginástica.

 
Quero receber conteúdos exclusivos de esporte