Após batalha jurídica, Palmeiras empata com desfalcado Flamengo

Partida, que terminou em 1 a 1, teve indefinição até 10 minutos antes do horário marcado. Justiça decidiu por jogo, mesmo com surto de Covid-19 no time carioca

Legenda: Palmeiras e Flamengo protagonizaram com muita confusão nos bastidores
Foto: Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Nem Palmeiras, tampouco Flamengo. O jogo da discórdia pela 12ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro que travou batalha jurídica e de palavras ao longo de toda a semana terminou em igualdade de 1 a 1, na Arena Palmeiras, em São Paulo. Perdeu o futebol brasileiro, que mais uma vez mostrou desorganização. Apenas com poucos minutos para as 16 horas que a partida teve a sua confirmação.

Uma decisão que causou enorme irritação aos cariocas, que se sentiam prejudicados por terem 16 infectados com a Covid-19. Atrasaram a entrada em campo e o início da partida, mas acataram a decisão da Justiça e até tiveram chances de triunfo. Aos paulistas, esbarrar em um time com muitos jovens significou desperdício de dois pontos na busca pelo topo da tabela.

Foi um show de desinformação e desencontros. Paulistas irredutíveis na ideia de jogar e cariocas buscando a todo custo um adiamento, com apelação até ao Tribunal Regional do Trabalho, no Rio de Janeiro. O TRT-RJ autorizou a não realização do jogo e tudo caminhava para o adiamento. Até 30 minutos antes do horário marcado, havia indecisão.

O relógio se aproximava das 16 horas quando a CBF deu a sua cartada final. A entidade queria fazer valer o regulamento assinado por todos os clubes e apelou ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), conseguindo a liberação para a bola rolar. Mesmo com os apelos dos cariocas, com 20 atletas do elenco infectados (contando com jovens da base), o jogo foi confirmado.

O despacho do TST alegou que decisão do TRT-RJ só poderia valer se o duelo fosse no Rio de Janeiro. Como estava marcado para São Paulo, garantiu que a bola rolasse. Depois de tanta polêmica, times em campo, hino nacional, minuto de silêncio pelas vítimas do novo coronavírus espalhadas pelo País e bola rolando com 22 minutos de atraso.

De um lado um Palmeiras com força máxima e do outro um Flamengo repleto de meninos das categorias de base ao lado dos mais maduros Thiago Maia, Gerson, Arrascaeta e Pedro. Com o espanhol Domenèc Torrent também infectado, o auxiliar Jordi Guerrero atuou como treinador. Por causa do risco de infecção, os reservas do time carioca não ficaram sentados no banco. Acompanharam a partida nas arquibancadas.

Mesmo com seus principais jogadores - Patrick de Paula retornou, recuperado de lesão -, o Palmeiras custou para levar a melhor sobre os animados garotos rubro-negros. A polêmica do joga ou não joga parece ter mexido com os palmeirenses, que custaram a entrar no confronto. No final, empate em 1 a 1, gols de Patrick de Paula, para o Palmeiras, e Pedro, para o Flamengo.

Quero receber conteúdos exclusivos de esporte