Renata Sleiman: sem medo de desenhar o próprio destino

Em entrevista à série Dona de Si, a Diretora da rede Exalla Cosméticos compartilha lições e os desafios da vida de jovem empresária

A economista Renata Sleiman, 32 anos, tem formações dentro e fora do país, tendo passado por instituições renomadas como Universidade de Fortaleza, Ibmec e Fundação Dom Cabral. Mas foi vivendo o dia a dia de uma empresa, conhecendo a fundo cada setor, que ela aprendeu o que uma líder deve saber na hora de tomar decisões estratégicas. 

Nesta trajetória, ela se tornou mestre em desenhar e automatizar processos e fez história ao desenvolver a rede de lojas Exalla Cosméticos, que se expande em Fortaleza e no Eusébio. “Uma abertura de loja é um sentimento de conquista muito incrível!”, diz a empresária, orgulhosa do êxito, que repetiu por nove vezes, como diretora da rede. 

Com o humor de quem sabe rir de si mesma, a mãe da gatinha Sthefany, aprendeu a equilibrar a impaciência para o que precisa ser feito e a espera do tempo certo das coisas acontecerem. E não está sozinha nesse desafio. Família e amigos estão sempre por perto, formando a rede de apoio da jovem empresária.    

Mas quando a questão é desenhar o próprio destino, ela sabe que é preciso viver a verdade dela sem se preocupar com o que vão dizer. “É simplesmente não ter medo de ser você mesma com todos os seus acertos e erros”. Nesta entrevista à SISI, Renata Sleiman fala das experiências mais importantes para que se tornasse Dona de Si. 

Quem é a Renata Sleiman?   

A Renata é uma pessoa que gosta de aproveitar as coisas simples da vida. Que está sempre acompanhada de família e amigos. Que gosta de agito, mas também de calmaria. Mãe coruja de pet (uma gatinha linda chamada Sthefany) que alegra ainda mais os meus dias. Que ama comer, mas tenta equilibrar com atividade física. Que vive de relevar o que não é, de fato, relevante. Que adora rir de si mesma e levar a vida de uma forma o mais leve possível.  

Legenda: A filha pet Sthefany
Foto: acervo pessoal

Qual sua formação profissional?  

Sou formada em Ciências Econômicas na Unifor e tenho pós-graduações no Ibmec e Fundação Dom Cabral, dentre outros cursos dentro e fora do Brasil. Mas acredito que as minhas experiências do dia-a-dia contribuem, e muito, para qualquer formação profissional.  

Como começou na carreira e como se encontra hoje profissionalmente?  

Comecei fazendo um estágio na empresa da família (Dag - J.Sleiman) onde passei por todos os setores. Quando me formei, fiz um projeto de trainee para desenvolver a área de varejo da empresa, no caso a Exalla Cosméticos. Hoje sou diretora dessa rede de lojas, atualmente com 10 unidades em Fortaleza e Eusébio, em plena expansão.   

O que é mais desafiador na carreira que você está hoje e o que é mais gratificante?  

O mais desafiador é fazer dar certo uma empresa com bons propósitos e lucratividade em um país com tantos entraves. Tentar entender, me adaptar e antecipar práticas para melhorar cada vez mais o relacionamento com nossos clientes, principalmente nesse novo e difícil momento de pandemia.

E o mais gratificante é poder todos os dias estar rodeada de pessoas incríveis que me ajudam a realizar os maiores desafios. Trabalhar com beleza é trabalhar com sonhos, com a autoestima das pessoas. É muito bom saber que agregamos sempre memórias positivas para os nossos clientes internos e externos.  

Que experiências profissionais e de vida você diria que valeram muito a pena viver e por quê?  

Sempre achei o fato de ter tido a oportunidade de passar por um período relativamente longo por todos os setores de uma empresa foi a coisa mais agregadora que fiz. Isso me deu a capacidade de compreender como funciona uma verdadeira organização e como isso influencia nas decisões e estratégias. O impacto disso é a assertividade em ações e processos.    

 De que conquistas você mais sente orgulho?  

Uma abertura de loja é um sentimento de conquista muito incrível! São muitas pessoas envolvidas para fazer dar certo. É sempre um misto de euforia com orgulho do caminho trilhado.    

Legenda: Renata (ao centro) com família e colaboradores em uma das abertura de loja (foto retirada antes da pandemia).
Foto: Divulgação

 O que você ainda não fez nessa vida que ainda gostaria de realizar?  

Ter mais experiências fora do país, conhecer mais culturas, pessoas e modos de vida. Isso é uma das melhores formas de abrir nossa cabeça para o diferente e para exercitar a criatividade.  

 O que a Renata de hoje diria para a Renata do passado?  

Tenha paciência porque, muitas vezes, as coisas não acontecem na mesma velocidade que você espera. Mas não muito, se não, o negócio não anda.  

Como lida com as expectativas que as pessoas têm sobre você?  

A expectativa dos outros com certeza é menor que a expectativa que eu coloco em mim mesma. E isso é um combustível para continuar batalhando pelos meus objetivos.   

Legenda: Família (da esquerda para direita): Alexandre Sleiman (pai), Renata, Carla Ginelli (mãe), Laura Sleiman (irmã) e Cezar Romcy (cunhado)
Foto: Acervo pessoal

Que lições te acompanham quando quer iniciar um projeto novo na vida e na carreira?  

Seja honesto com você e com os outros, dê o seu melhor e tenha criticidade. Ter a humildade de perguntar, escutar e aprender conta mais que qualquer curso na faculdade.  

 Quem são as mulheres que mais influenciam você? Por quê?  

Minha mãe com certeza é uma delas. Sempre alinhou a grande exigência aos estudos e a bondade com o próximo. E não poupou esforços para que eu pudesse ter a melhor educação possível, com a capacidade de me colocar no lugar do outro. Isso me fez ter uma outra perspectiva na vida.  

Gosto muito da Chieko Aoki, Luiza Trajano, Camila Farani por exemplo. São mulheres que realizam feitos incríveis e me espelho muito na forma que gerenciam seus negócios.  

Legenda: Renata e a mãe Carla Ginelli: uma grande influência.
Foto: Acervo pessoal

De que forma você acredita que influencia outras mulheres?  

Se eu puder influenciar qualquer pessoa mostrando que com esforço e interesse você pode conquistar realização profissional e pessoal, já fico bem feliz. Acho que todos temos a capacidade de ser bom em alguma coisa, muitas vezes só falta a oportunidade, ou a disciplina e a resiliência necessária.   

Para você, o que significa ser dona de si? Você se identifica com esse sentimento?  

Me identifico demais! É simplesmente não ter medo de ser você mesma com todos os seus acertos e erros.

Viver a sua felicidade sem se preocupar com o que os outros vão pensar. De ter orgulho em comandar seu próprio destino, buscando diariamente se tornar aquela mulher que sempre quis ser. 


Assuntos Relacionados