Atitude 67 lança EP com imagens no Rio de Janeiro e em Salvador; Ceará pode receber produção em 2021

A baiana Ivete Sangalo foi uma das convidadas do novo projeto do grupo, dividindo com o Atitude 67 "Chega Diferente"

Cantores seguiram protocolos de segurança contra a proliferação do coronavírus para gravar clipe
Legenda: Cantores seguiram protocolos de segurança contra a proliferação do coronavírus para gravar clipe
Foto: GB Souza

O Grupo Atitude 67 é destaque no pagode em 2020. Os integrantes são ousados no quesito "mistura" de gêneros musicais. O bom entrosamento de Pedrinho Pimenta, Éric Polizér, Karan Cavaller, GP, Leandro Osmar e Regê é o diferencial do sexteto. O som dos garotos de Mato Grosso do Sul, com cara de praia, ganha mais uma produção audiovisual neste ano - no repertório de "Atitude no Rolê Onda".

Lançado no início do mês, os primeiros rolês do EP audiovisual passam pelas orlas do Rio de Janeiro e de Salvador, cidades que levam memórias dos amigos. Com produção musical de Dudu Borges, o repertório conta com 4 canções inéditas e a superparceria de Ivete Sangalo. Na Bahia, a banda fez do Castelo Garcia D'avilla, na Praia do Forte, em Salvador, o primeiro palco para cantar a romântica "Vou Revelar". A canção traz o batuque do samba e do axé em harmonia proporcionada pela parceria com músicos da região - Cara de Cobra, Márcio Brasil e Kainã do Jêje.

Assista:

Com Ivete Sangalo, os meninos do Atitude 67 cantam a faixa "Chega Diferente". Assim como no nome, a letra traz características apaixonantes de uma mulher que sabe chegar e encantar. "Que delícia foi gravar essa música com os meninos do Atitude 67. A composição é leve, a música é uma delícia. Eles são uns queridos", destaca a cantora baiana.

No Rio de Janeiro, o grupo gravou "Seu Leblon". A composição promete transportar o ouvinte para as vias públicas cariocas. Também por lá, eles produziram a música "Putz".


Pedrinho Pimenta conta que a produção do EP seguirá em 2021. O vocalista afirma que as praias do Ceará podem receber a banda. "Sabemos o quanto seria gostoso ter esse registro no Ceará. Pretendemos sim gravar na região. É difícil dizer uma data, por conta da pandemia do coronavírus, mas será um registro eterno".

Shows

Sem eventos com público, por conta da pandemia, o desafio da banda é divulgar as músicas nos apps, avalia Pedrinho. "É mais difícil. Até porque somos uma banda completamente de show. As pessoas que vão no evento são divulgadores mais felizes. Chegam para conhecidos e falam com uma outra verdade. Mas, estamos conseguindo bons resultados".

Ouça o podcast 'É Hit', com João Lima Neto: 

Powered by RedCircle

 

Quero receber conteúdos exclusivos do É Hit