Artista cearense Alan Mendonça celebra duas décadas de carreira neste ano abraçando poética cigana

Transitando entre distintas geografias, o poeta construiu um olhar particular sobre o fazer do verbo e maneiras de ecoá-lo

img1
Afoito em descobrir novos territórios da palavra, Alan Mendonça encara o que vem pela frente ao celebrar os 20 anos de carreira Foto: Louyse Gerardo

Alan Mendonça deve um tanto às letras de música. Aprendeu de maneira singular com elas. Uma, em específico, ele traz com carinho à superfície porque evoca o tempo da infância. É “Nos Bailes da Vida”, composição de Milton Nascimento e Fernando Brant.

“Ela tem a ver com a imagem de que todo artista tem de ir aonde o povo está, algo que vem comigo desde menino”, recorda o poeta cearense, natural de Fortaleza. Daí que para anexar outras sementes de canções à trajetória foi fácil. Bastava ficar desperto, atento. 

Como quando ouviu “Sina de cantor”, dos conterrâneos Rogério Franco e Serrão de Castro. Foi capaz de se ver no bonito verso “algumas vezes me apavoro com a grandeza, então escrevo a minha sina de carteiro, que é de levar a poesia em cada canto e de cantar no seu radinho sobre a mesa”.

“Essas frases e algumas coisas do Pessoal do Ceará – do qual eu bebi muito e, portanto, fazem parte decisivamente de minha construção enquanto artista – formaram em mim um sentimento cigano”.

Não à toa, já transitou por diferentes geografias e continua a fomentar um diálogo duplo: tanto as paisagens o convocam a um novo olhar sobre as coisas como os verbos retribuem o carinho ao não se separarem de uma estética em saída.

No ano em que Alan completa duas décadas de carreira poética, o Verso traz um apanhado do que ainda vem por aí sob a pena do artista e apresenta os processos de composição abraçados por ele.

img2
De passagem por Portugal, onde estes registros foram feitos, o artista imergiu no profundo de si Foto: Louyse Gerardo

Projetos

Mendonça adianta que 2020 será um período rico em novidades. A bagagem do poeta ficará ainda mais robusta com lançamentos de CDs e realização de peças, monólogos, mostras teatrais, entre outras ações no ramo.

Novos projetos no universo da música erudita – a partir de parceria com o compositor de Russas, Liduíno Pitombeira – também acontecerão, bem como lançamento de site para si e a editora Radiadora, que se propõe a difundir a literatura feita no Ceará além da capital.

“Para mim, o importante é criar. É um ato subversivo, porque o outro lado, o oposto de nós, o desgoverno, quer nosso silêncio. E, sobre isso, eu não dou o gosto, não”, afirma.

Os atravessamentos realizados por Alan nos últimos tempos não negam: com a borbulha acesa, o fogo poético produziu labareda e contagiou diferentes territórios. Uma das mais recentes empreitadas que realizou foi estar em Portugal, não sem antes passar por outras geografias.

“A viagem começou faz tempo, no coração das miragens, mas o corpo pegou estrada em maio do ano passado, num sábado, a caminho de Quixeramobim, aos passos inversos do peregrino Conselheiro. Depois, fui para Banabuiú e segui para Quixadá, onde minha palavra sempre reencontra a intimidade das pedras”.

img3
Alan Mendonça afirma que 2020 será um ano de grandes novidades na seara profissional Foto: Louyse Gerardo

Após passar por Fortaleza, seguiu para Limoeiro do Norte, terra irmã de Russas, por onde esteve também antes de pegar o rumo do mar e desembarcar do outro lado do Atlântico a se comunicar pela mesma língua tão outra. Atravessou Braga, Ílhavo, Aveiro, Lisboa, Porto e Coimbra a entender os pequenos do mundo e angariando espaço por meio de eventos envolvendo literatura.

Quando indagado sobre o que reuniu a partir das viagens, em especial pela terra lusa, Alan destaca a abertura de possibilidades de encarar culturas.

“O olhar para o outro gera um espelho muito potente para enxergarmos a nós mesmos. Portugueses e brasileiros partem da mesma língua matriz e talvez das mesmas semânticas formadoras dos sujeitos. Mas hoje aquela língua já não é a mesma entre esses dois povos e as semânticas abrem mundos que diferenciam os sujeitos dos dois lugares”, situa.

Projeção

Além de escritor, Alan Mendonça também é letrista, dramaturgo, arte-educador, editor e produtor. Sob sua pena, já vieram a público discos, espetáculos, feiras, mostras, encontros e festivais, além de livros como “Varandas”, em 2004; “A Desmedula da Seta”, em 2011; e “O cinema dos fósseis”, em 2018, entre vários outros. 

A partir desses diferentes ofícios, o artista reflete sobre o alcance de sua poética em diversidade de praças, chamando atenção para o fato de que, em quaisquer delas, há a urgência de estar entre versos

“Em alguns lugares, a poesia adentra a porta sob os receios do dono da casa; em outros, pousa leve e aconchegada; também é arrebatadora dançarina de pensamentos; e, em outros, novidade pura e encantadora ou por dores guardadas há tempos. Apesar de toda diferença, há o que é comum a toda raça humana: as coisas do amor, lembranças, sonhos, feridas, cisco no olhar, necessidade extrema de alguma poesia”.

Quando olha para trás e observa os 20 anos de caminhada profissional, fica, enfim, um espírito de liberdade no peito. E, sobretudo, a paixão pela palavra que ultrapassa o português brasileiro. Trata-se da língua nordestina e das ressonâncias que ela alimenta em cada trajeto percorrido.

Ciganagem

Nesse movimento, Alan volta ao ponto inicial deste texto e da própria vida de modo a abraçar o que o constitui no posto de pessoa e profissional: é feito pássaro, dado a atirar-se por aí.

“Gosto da ciganagem, do caminhar sem rumo certo, de conhecer pessoas e conversar com aquelas muito diferentes de mim, de saber de outros mundos. Sou muito curioso por histórias de vida. E tudo isso, muitas vezes, pode estar do outro lado da rua, de uma mesma rua da vida inteira, ou do outro lado do mar”, afirma.

E completa: “Vivo também do que reverbera da minha palavra por poesia na pessoa que a escuta e retorna por qualquer linguagem que seja: do olhar, do sorriso, do espanto... Tudo é matéria-prima do que eu faço por palavras com seus sentidos e semânticas, bonitezas e estranhezas ditas de várias formas”.

img4
Na estrada do poeta, sobra a vontade de continuar criando e atravessando geografias Foto: Louyse Gerardo

Quanto ao que vem pela frente nessa seara do partir, afirma estar se preparando para cair na estrada em breve tendo em mãos o novo livro, “Biografia Geral da Rua Única”. A ideia é passar pelas mesmas cidades cearenses do ano passado, aumentando a quantidade de municípios. Também menciona outros Estados além do Ceará e aspira voltar a Portugal.

“De minha parte, sigo criando, soltando a voz da garganta na ponta do lápis, seguindo na função de tradutor em arte do que vejo e sinto, vivendo do que sei e sou: vendedor de sonhos e inventador de coisas no interior das horas”.