Paulo César Norões: Mais convergências do que divergências