Bolsonaro dedica 30% da agenda a militar e religioso

Além disso, o presidente também recebeu em duas oportunidades, em seu gabinete em Brasília, a viúva do coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe do DOI-CODI na ditadura militar, condenado por sequestro e tortura