Apresentado como pastor, advogado-geral da União faz oração na porta do Alvorada

Após o Supremo Tribunal Federal ter equiparado a discriminação com base em orientação sexual e identidade de gênero ao crime de racismo, Bolsonaro afirmou que indicaria para a Corte um novo ministro "terrivelmente evangélico"