Para Moro, caso dos 80 tiros no Rio não se encaixa em legítima defesa

Segundo o ministro, os autores dos tiros não poderiam ser beneficiados pelo excludente de ilicitude porque não agiram por escusável medo, surpresa ou violenta emoção