Inserir deficiente no mercado ainda é desafio