Egídio Serpa: Previdência, o voto fácil do oportunista