Egídio Serpa: Flores vão de avião; as frutas, de navio