Egídio Serpa: Secrelnet, "case" de sucesso