Twitter e Facebook espalharam desinformação sobre controle de muçulmanos pela China

As publicações impulsionadas eram do jornal estatal Global Times e incluíam textos e vídeos nos quais autoridades chinesas diziam que não há campos de prisioneiros em Xinjiang, mas sim centros de treinamento