Prostituição 2.0: como as redes sociais são usadas pela "indústria do sexo"

Relatório divulgado nesta terça revela o submundo digital envolvendo Instagram, WhatsApp, Tinder, Facebook e Snapchat