Após quatro meses de protestos, Chile não volta à normalidade

Brasileira que vive em Santiago diz que as principais pautas dos protestos não foram atendidas, como saúde e educação de qualidade e reforma no sistema previdenciário