Ato foi homofóbico, diz pai de terrorista