“É sempre tempo”: desigualdade de gênero e preconceito reforçam tabus da sexualidade entre idosos

Mulheres ainda são as que menos mantêm – ou menos revelam manter – vida sexual ativa após os 60 anos; quebra de paradigmas é necessária ao bem-estar físico, mental e social