O Carnaval de rua me fez sentir parte de Fortaleza

Foi em um domingo na Gentilândia, depois de circular pelos paredões de som da Taíba, que entendi de vez que não é qualquer fuzuê que faz bater o meu coração