Tom Barros: A rotatividade necessária no Fortaleza