Paixão por curtas

Especializada em filmes de curta duração, produtora que opera no Ceará lança, amanhã mais um título

Uma conexão Aracati - São Paulo, na esfera do cinema. Assim pode ser resumida a atuação da produtora Del Picchia Filmes, que há três anos realiza curtas-metragens no Ceará, especialmente na cidade de Aracati, onde mora um dos sócios-proprietários, Márcio del Picchia. "Na verdade, divido-me entre aqui e a cidade de São Paulo. É meio a meio", brinca o empresário.

Cenas de "A vida que passa...", com participações especiais dos músicos Fagner e Zeca Baleiro

Amanhã, o público do município cearense poderá conferir a mais nova produção da Del Picchia, o curta "A vida que passa...", dirigido por Marcio. A história, ambientada nos anos 1940, aborda diferentes personagens e seus dramas cotidianos. Mudo, o filme foi inspirado na canção "A tua boca", dos cantores e compositores nordestinos Fagner (Ceará) e Zeca Baleiro (Maranhão).

É justamente pelo fato de não haver diálogos que Marcio aponta a música como principal personagem. "Ouvi essa canção durante uma viagem de carro no final do ano passado e fiquei com ela na cabeça. Até que veio a ideia para um filme", recorda o diretor. Segundo ele, porém, a relação entre a letra e o roteiro não é literal.

De fato, enquanto Fagner e Baleiro cantam "Não é veneno/a tua boca/quando chama a luz do dia/quando diz que a chama é pouca/quando ama tão vadia", o filme permeia histórias não necessariamente relacionadas ao amor - também, mas não exclusivamente.

Participação

Um aspecto importante é a participação dos dois músicos no curta, não como cantores, mas como personagens. "Ficamos uns três meses para conseguir acertar as agendas dos dois.

"Passamos a ideia para eles, que se sensibilizaram, gostaram do projeto e toparam participar", conta Marcio. O diretor ressalta ainda que há apenas uma única palavra falada durante os dez minutos do curta, pelo Fagner. Mas não antecipa nada, para evitar estragar a surpresa.

"Em todos os filmes que havíamos feito até agora, pensávamos na trilha sonora depois. Nesse foi diferente. Senti a música dessa forma como está posta no curta", justifica Marcio. O diretor ressalta ainda a presença de um "toque suave de humor e graça", que ajuda a conduzir a história.

Confira o teaser de "A Vida Que Passa":



Local

Com uma dezena de curtas-metragens no currículo, a Del Picchia busca privilegiar o Ceará como cenário e locação. Pelo menos metade de todas as produções da empresa foi realizada no Ceará, especialmente em Aracati.

Até agora, a produtora atua sem fins lucrativos - quase 100% dos custos das produções são bancados com recursos próprios. Alguns dos filmes estão disponibilizados na internet, pelo Youtube.

"Dá até uma certa pena fazer todo o trabalho e depois apenas jogar na internet. Por isso, também procuramos participar do circuito de festivais. Por exemplo, ´A vida que passa..." já está selecionado para o Curta Canoa (novembro)", adianta Marcio.

Segundo o diretor, uma das vantagens em filmar na localidade é a facilidade de mobilizar a comunidade. No caso do novo curta, todo o elenco é composto de moradores da cidade, nenhum deles ator profissional. Pela participação, recebem uma ajuda de custo. Parte da equipe técnica também é do município.

"Quietude" (em preto e branco) e "Pratos trocados" são outros dois exemplos de títulos da Del Picchia rodados totalmente em Aracati. Também estão disponíveis no Youtube e no site da produtora.

"São filmes simples. Não pleiteamos verbas, porque sinto a necessidade de colocar as ideias em prática logo em seguida. Minha ansiedade não permite aguardar processos de seleção, de captação de recursos", explica Marcio.

No caso de "A vida que passa..." as filmagens começaram em janeiro deste ano. Contando o período necessário para acertar as agendas de Fagner e Zeca Baleiro, a produção durou cerca de um ano.

Mudança

Segundo Marcio, a vontade de trabalhar com audiovisual surgiu de maneira natural. "Sempre fui viciado em cinema, é algo que me emociona muito", explica.

Formado em Economia, teve uma empresa durante 15 anos. Até vender e se mudar para Canoa Quebrada. "Como gostava muito de cinema, resolvi montar uma produtora. A sede é em São Paulo, mas desenvolvemos vários dos filmes aqui, com a comunidade. É uma espécie de projeto sócio-cultural", resume o diretor.

A paixão, porém, não o impede de ter consciência das dificuldades do setor. "Tenho certeza que minhas habilidades como administrador facilitam muito esse trabalho, no sentido de concretizar os projetos", frisa. "Se você não tem essa metodologia não consegue finalizar. Porque é uma atividade segmentada, é preciso dirigir departamentos. Tudo tem que dar certo ao mesmo tempo".

Mais informações
Estreia do curta-metragem "A vida que passa". Amanhã (16), às 20h, em frente ao Museu Jaguaribano (R. Cel. Alexanzito, 743 Centro - Aracati). Gratuito. Contato: (88) 3421.3396