O ´lobo do asfalto´: aventuras pelo Brasil

O fotógrafo cearense José Albano fala, hoje, ao público sobre o livro "Manual do Viajante Solitário: rodando de moto nas estradas do Brasil"

Em 1984, José Albano comprou uma Honda 125 ML ano "83". Na época, com 40 anos, ele julgava ser essa a idade limite para tentar o motociclismo, pois mais velho não teria coragem de ir em frente. E assim, o fotógrafo deu início a um ciclo de viagens pelo país. "Com a minha moto, viajo pelo menos duas vezes por ano pelo Ceará, pelo Brasil. Viajar de moto me proporciona as maiores emoções do motociclismo, não só pela enxurrada de estímulos visuais enquanto avanço pela paisagem desconhecida, mas também pela oportunidade de me desligar do dia a dia", diz.

Tantas foram as estradas percorridas e as experiências acumuladas em cada uma delas, que o fotógrafo juntou material suficiente para produzir o livro "Manual do Viajante Solitário: rodando de moto nas estradas do Brasil".

O manual

O livro, apoiado pelo Banco do Nordeste, tem lançamento previsto para junho. Contudo, o público poderá saber mais sobre o projeto, através do bate-papo com o autor, que será realizado hoje, às18h, no auditório do Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB). Conforme Albano, o manual é um estímulo ao uso da motocicleta, principalmente a de baixa cilindrada, como uma alternativa prazerosa e barata em viagens de trabalho ou lazer pelas estradas brasileiras. O livro inclui roteiros, hospedagem, alimentação, bagagem, conforto e os riscos inerentes a esse tipo de percurso, assim como aspectos emocionais e filosóficos vivenciados pelo fotógrafo. "Ao contrário de muitos livros de viajantes, que se centra em seus relatos de viagem, o meu manual tem o objetivo de alertar os motoqueiros sobre os cuidados que se deve ter nas estradas, são dicas de sobrevivência. Além disso, quero desmitificar a ideia de que é preciso ter uma moto específica para fazer viagens de longa duração. A moto comum, que tem peças vendidas em todo o país, é a mais indicada".

O solitário

Uma característica de José Albano quando está viajando é a solidão. Para ele, essa é uma oportunidade de ouvir seus pensamentos, de passar a vida a limpo, refletir e tomar decisões. "Quando viajo não dou e nem quero saber notícias de ninguém. Só aviso que um dia eu volto. Dentro do meu capacete, eu medito, choro e riu. Simplesmente, desapareço pela paisagem". Albano conta que pernoita no meio da paisagem, na beira da estrada deserta, onde a barraca, o saco de dormir e o kit de cozinha, são seus únicos companheiros. Sob a luz das estrelas, na imensidão da noite, ele curti o sabor da liberdade.

MAIS INFORMAÇÕES
Apresentação do livro "O Manual do Viajante Solitário", de José Albano. Hoje, às 18h, no auditório do CCBNB. (85) 3464.3108


ANA CECÍLIA SOARES
REPÓRTER