Mostra divulga selecionados

Salão de Abril
Em 2013, foram mais de 500 inscritos para a 64ª edição, o que coloca o Salão de Abril entre os mais bem-sucedidos do País ALEX COSTA

A partir do dia 15 de abril, a Galeria Antônio Bandeira, no Centro Cultural Banco do Nordeste (Rua Conde D'Eu, 560 - Centro), recebe a 65ª edição do Salão de Abril. Nesta semana, a Secretaria de Cultura de Fortaleza divulgou a lista dos 30 artistas selecionados para compor a mostra competitiva.

Esta edição, que reuniu 855 inscritos, será composta por artistas oriundos dos seguintes estados: Distrito Federal (2), São Paulo (8), Minas Gerais (3), Rio Grande do Sul (3), Rio de Janeiro (6), Bahia (1), Rio Grande no Norte (1), Paraná (1), Pernambuco (1) e Mato Grosso do Sul (1). Dos trabalhos cearenses que tentaram a seleção, apenas "Obstáculo", instalação de Doralice Lacerda; " Desfrute Do Universo Retrativo", instalação de Thiago Feijó Ponte e "immigrant mermaid #1", pintura de Maíra Gouveia Ortins foram escolhidos para competir.

A Comissão de Seleção do 65º Salão de Abril se reuniu de 20 a 22 de março no Teatro Antonieta Noronha para a avaliação dos trabalhos.

O grupo foi composto pela curadora convidada, a crítica e pesquisadora em artes visuais Gabriela Kremer Motta; o artista, professor e curador, Herbert Rolim; e a jornalista, pesquisadora e curadora, Ana Cecília Soares. Em 2014, o Salão de Abril distribuirá um montante de R$ 135 mil sendo 30 prêmios de R$ 3 mil brutos para cada uma das 30 obras selecionadas para compor a Mostra, além de três prêmios de R$ 15 mil brutos para cada uma das obras premiadas dentre as 30 selecionadas - que será divulgada no dia 15 de abril, data de abertura da exposição. Dos valores destinados a serem pagos pelo Edital, serão descontados impostos e taxas devidos legalmente.

História

Lançado em 1943, como iniciativa da União Estadual dos Estudantes (UEE), o Salão de Abril foi encampado por artistas que atuavam na cidade. Foi assim que, a partir de sua segunda edição, em 1946, a Sociedade Cearense de Artes Plásticas (SCAP) assumiu sua realização, tornando-se a entidade responsável por sua continuidade, até 1958.

As exposições do Salão de Abril, contudo, não tiveram uma constância. Houve um hiato nesta periodicidade logo depois de suas primeiras edições. Somente em 1964, quando a administração municipal tomou para si a responsabilidade da realização anual do evento, o mesmo assumiu um papel de eixo da vida cultural da capital cearense. Nas sete décadas de existência e em 64 edições, nomes importantes participaram de suas mostras. Em 2013, foram mais de 500 inscritos, o que coloca o Salão de Abril entre os mais bem-sucedidos Salões do País.