Dias femininos

Organizado pela escritora Natércia Pontes, o livro ´Semana´ reúne experiências literárias de jovens autoras cearenses

Mesmo que ainda exista quem prefira o saudosismo da caneta (ou lápis) e do papel, a manuscrita quase desapareceu no decorrer do século XX - pelo menos, no que diz respeito aos escritores. A máquina conquistou seu território e, não muito tempo depois, avançou sobre o de sua antecessora. Nas últimas décadas, com um só golpe, os computadores surgiram com pretensões monopolistas em relação a este campo. “Semana”, organizado por Natércia Pontes, é uma espécie de testemunho dessa trajetória da escrita.

A obra reúne dez jovens autoras - com exceção de Natércia e Virna Teixeira, todas as outras são debutantes em livro. A coletânea é resultado de uma escrita que encontrou terreno fértil na Internet. Ana Carolina Bedê, Diana Melo, Elisângela Teixeira, Luana Cavalcanti, Mariana Marques, Mirella Adriana, Sirlanney, Thaís Aragão, Virna Teixeira, além da própria Natércia: todas são praticantes de ´webwriting´ (escrita para a rede) e autoras de blogs pessoais. Nesse espaço, cada uma delas, apresenta cenas de seu cotidiano, impressões, ficções curtas, em verso, prosa ou nos híbridos inventados.

“O blog foi a ‘esquina’ onde nos conhecemos”, relembra Natércia. Sem negar a ligação com a Internet ou o uso dos diários virtuais como canais de divulgação, a organizadora explica que os textos não são uma versão em papel e tinta de seus blogs. “Todos os textos foram produzidos especialmente para este livro. O que ficou do formato do blog foi mesmo essa coisa meio parecida com um diário, que faz parte da proposta que lancei”, explica Natércia Pontes.

“Semana”, mais que o nome da coletânea é o mote pensado por Natércia. “A única regra era essa. Procurei deixá-las o mais livre possível”, conta. A flexibilidade da organizadora e a abrangência do tema deram “pano para a manga” das escritoras, que viajaram por temas diversos, estilos, gêneros e até tempos - as narrativas são ambientadas entre 1932 e 2006.

Produção independente

A idéia de fortificar e fazer aparecer a escrita nas jovens autoras do Ceará não se deu sem uma dose extra de esforço. No subnutrido mercado editorial local, a saída - para muitos autores, é a auto-publicação. Há dois anos, Natércia lançou “az mulerez.” (o título, em minúsculas, tem um ponto final e um impossível til sobre a letra “L”), coletânea de narrativas curtas com ilustrações em livre interpretação.

“Foi uma experiência muito boa e, até hoje, me rende frutos”, comenta Natércia Pontes, relembrando os elogios ganhos. “Como já tinha lançado este livro antes, queria que elas também tivesse essa alegria de publicar. Procuramos algumas editoras, inscrevemos o projeto em editais e nada. Vimos que não seria impossível publicar por conta própria, então dividimos pelas dez”, conta.

Serviço:
Lançamento da coletânea ´Semana´, organizado por Natércia Campos, às 19h, no Ideal Clube (Avenida Monsenhor Tabosa, 1381 - Meireles). Informações: 3248.5688

DELLANO RIOS
Repórter