Matéria-1238638

Ginga brasileira

Nas últimas semanas, o Atoms For Peace, projeto paralelo de Thom Yorke, tem feito barulho com o disco "Amok". Mas, o que pouca gente sabe é que o grupo conta com reforço de um brasileiro

Não é novidade que a música brasileira, tão rica culturalmente em sons e singularidades, é vista com bons olhos no exterior justamente por trazer elementos exóticos aos ouvidos dos gringos. Movimentos como bossa nova e tropicalismo, automaticamente lembrados por astros internacionais, quando indagados do que conhecem sobre o Brasil, não nos deixam mentir...

O percussionista Mauro Refosco trabalha atualmente com Thom Yorke e Flea no Atoms For Peace

Por essas e outras, artistas brasileiros têm feito sucesso lá fora com um jeito de tocar e cantar só nossos! Não, não estamos falando de medalhões como Caetano Veloso, Gil, Mutantes e Tom Jobim (para citar alguns), com trabalhos mais do que reconhecidos pela exigente crítica internacional. Estamos falando de gente que tem sido disputada por bandas e músicos renomados.

É o caso do catarinense Mauro Refosco, que mudou-se em 1992 para Nova York. Lá, em 2002, formou a Forro in the Dark. Com dois discos lançados - "Bonfires of São João" e "Light a Candle", a banda, que mescla rock, folk, jazz, forró e country, despertou a atenção do baixista Flea (do Red Hot Chili Peppers) e do cultuado Thom Yorke, líder do Radiohead.

E não é que hoje em dia o cara, que já colaborou em dois momentos diferentes com os dois badalados grupos, está trabalhando com ambos os músicos no conceitual Atoms for Peace? Pois o projeto paralelo, formado em 2009, inclusive emplacou o segundo disco, o recém-lançado "Amok".

Outra brasileira que resolveu apostar todas as fichas em terras estrangeiras foi Isabel Monteiro, vocalista e baixista da Drugstore. Fugindo da música brasileira, a moça foi beber na fonte do rock alternativo, quando formou, em 1993, a banda, composta atualmente por Peter Allinson, Yuuki McCLure e Steve Dixon.

O grupo britânico Drugstore é liderado por uma brasileira. Isabel Monteiro formou a banda em 1993


Apesar de pouco conhecido por aqui, o quarteto, radicado em Londres, conquistou respaldo, especialmente, após ter sido convidado para abrir para figurões como Radiohead, Tindersticks, Smashing Pumpkins, Jeff Buckley e The Jesus and Mary Chain, entre outros.

Quem também ganhou visibilidade, só que do outro lado do mundo, foi Ricardo Cruz. Fã de séries japonesas, o jornalista e tradutor entrou, em 2005, para a Jam Project, após vencer concurso. O cantor, que esteve em Fortaleza como atração do Sana Fest, em janeiro, é o único membro estrangeiro da banda. Isso é que é moral! E olha que não deve ser nada fácil cantar em japonês...

O paulista Ricardo Cruz ganhou notoriedade cantando em japonês na banda Jam Project


Material inédito!

Os fãs de Jimi Hendrix podem ir se preparando para novo lançamento! Sai, nesta terça, "People, Hell and Angels", álbum póstumo que reúne 12 performances inéditas de estúdio, resultantes das sessões de 1968 e 1969, do guitar hero, embora algumas das músicas tenham aparecido em outras versões, desde a sua morte, aos 27 anos. A repercussão do trabalho tem sido positiva. O single "Somewhere" chegou a número 1 nas vendas da Billboard Hot em fevereiro. Quer escutar antes? site NPR Music disponibilizou gratuitamente o registro para audição na íntegra. Acessa aí: //ads.tt/HuBq5A

Tiny dancer...

Thom Yorke parece ser chegado mesmo numa dancinha. Depois de virar sensação em "Lotus Flower", do Radiohead, o cantor voltou a balançar o esqueleto, sem medo de ser feliz, em "Ingenue", clipe do Atoms For Peace. Aqui, o britânico aparece acompanhado da japonesa Fukiko Takase em uma dança esquisita meio "contemporânea". Abalou!

E aí, já ouviu?

David Bowie mais uma vez surpreendeu os fãs na última quinta. O tão esperado disco inédito do Camaleão, previsto para 12 de março, acabou saindo antes para audição no iTunes. "The Next Day" tem superado as expectativas não só dos fãs, mas, especialmente, da crítica especializada.

Confira vídeos de brasileiros em bandas gringas:





Novas atrações

Bon Jovi confirmou presença, no último domingo, no Rock In Rio

Como já suspeitávamos, o Bon Jovi foi confirmado entre os headliners do Rock In Rio 2013. E acertamos inclusive, na coluna publicada em 19 de fevereiro, a data em que o grupo se apresentará na Cidade do Rock: 20 de setembro, no mesmo palco em que o sofrível Nickelback e o apenas ok Matchbox Twenty se apresentam. Torcer para que este dia melhore, hein?

A confirmação veio do próprio frontman, Jon Bon Jovi, no "Fantástico". Em entrevista exclusiva, cantor falou dos 30 anos de banda e fez declarações estranhas do gênero "o público brasileiro é ótimo. O Brasil fica longe dos Estados Unidos, mas vale a viagem" ou "Estou feliz por continuar trabalhando e por não ter virado um Elvis Presley gordo". Oi? Se tem uma coisa que o vocalista peca é justamente nesse ar de superioridade e metido que ele tem. E olha que gostamos do Bon Jovi. Mas enfim...

Outra grata surpresa, apesar da pouca badalação, foi o anúncio, no último dia 1º, de Florence And The Machine na grade do festival. O grupo indie britânico, que mistura soul e experimentalismo, se junta a Muse, 30 Seconds to Mars (também oficializado na quinta-feira) e um deslocado Capital Inicial no dia 14 de setembro. Fazem parte ainda desta edição Beyoncé, Bruce Springsteen, John Mayer, Metallica, Iron Maiden, entre outros.