Matéria-1228271

Homenagem autêntica

Já imaginou no que dá a releitura da obra de Gonzagão feita por músicos do rock e do blues? Para quem ficou curioso, a dica é conferir o projeto Rock, Maracatu e Baião, que promove oficinas hoje e culminará em um grande show sexta

O centenário do Mestre Lua continua rendendo pano pra manga. Artistas renomados da nova geração, oriundos de estilos musicais aparentemente alheios ao universo do forró pé de serra, se reúnem nesta sexta para celebrar o maior ídolo que o Nordeste já teve.

Gonzagão é o homenageado do projeto Rock, Maracatu e Baião

Mas, antes que o leitor questione se essa galera não perdeu o "timing" da data, a gente antecipa aqui que o "Rock, Maracatu e Baião" foi concebido no início de 2012, mas o projeto, que tramitava pela Secretaria de Cultura do Estado (Secult), só foi aprovado agora VIII de Incentivo às Artes do Ceará.

Apesar do "delay" de um pouco mais de um mês do aniversário do ícone pernambucano (no dia 13 de dezembro), o baixista Gustavo Portela, o vocalista Luiz Alberto Zoo, o guitarrista Felipe Cazaux, o baterista Ricardo Pinheiro e o gaitista Jefferson Gonçalves (RJ), a trupe por trás do projeto, estão animados com essa reunião inédita nos palcos.

O gaitista Jefferson Gonçalves ministra oficina hoje

"O projeto será dividido em dois momentos. Amanhã, ocorre workshops de guitarra comigo e de gaita com o Jefferson Gonçalves. É aberto ao público, não precisa ser músico para participar, embora seja mais proveitoso para quem toca. Quem quiser aprender sobre técnica, trocar uma ideia com a gente, é só ir. Mas o foco mesmo é o show. Estamos ansiosos com esse encontro", explica Cazaux, que acumula dez anos como músico profissional e já tem um terceiro disco autoral engatilhado para sair em 2013.

Felipe Cazaux também comanda workshop

´Gonzaga Blues´

Certamente, o show "Rock, Maracatu e Baião" será o grande chamariz de público. A homenagem será traduzida em um som diferente, nunca antes visto. E, mesmo que aparente ser uma influência distante à seara do "bluesboy", Cazaux destaca a relevância do sanfoneiro para a sua carreira. "Eu gosto bastante. Inclusive, no meu primeiro disco solo, gravei a canção ´Gonzaga Blues´. A gente vai fazer um tributo interessante porque irá soar diferente, inevitavelmente, porque somos músicos egressos de outras escolas. Essa releitura vai ter a nossa pegada. A expectativa é muito boa, estamos vendo a galera se mobilizando, falando do show. Além de reverenciá-lo, é uma grande oportunidade de divulgar o nosso trabalho para um público que vai além do blues e do rock", acredita.

Se para o paulista o legado de Gonzagão para a música brasileira é indiscutível, a ligação com o cantor Luiz Alberto Zoo é muito maior pelo fato do baião, entre outros elementos da cultura nordestina, ter lhe influenciado diretamente como músico, especialmente, o som da banda Jumentaparida, expoente do Movimento Cabaçal, corrente musical local que estourou no início dos anos 2000.

Luiz Alberto Zoo é o vocalista do projeto

"Já era um plano antigo revisitar as canções do Rei do Baião. Tô muito feliz e doido que chegue logo o dia do show, colocar essa energia para fora. Eu sou de Fortaleza, mas a minha família é de Quixadá. Passava temporadas na infância e adolescência lá e a música dele fazia parte do nosso convívio. Então, tem toda essa memória afetiva. É uma coisa de alma mesmo", frisa o vocalista, atualmente radicado em Aracaju e guitarrista do grupo Os Ultraleves.

Sobre o repertório, Zoo declara que houve uma preocupação de contemplar sucessos das mais diversas fases e parcerias ao longo da trajetória do artista. Entram nessa lista canções como "Asa Branca", "Vem, morena", "Morte do Vaqueiro", "Sala de reboco", "Juazeiro", "Pau de Arara", entre outras clássicas

Com um show grandioso e bem-intencionado, existe o plano de registrar esse momento especial? "O recurso aprovado para o projeto é limitado, não sei se rolaria um CD ou DVD, mas a ideia é sim fazer um registro nem que seja para guardar para a posteridade", diz.

O projeto tem o Apoio Institucional do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura e do Instituto de Arte e Cultura do Ceará, apoio Cultural do Governo do Estado Ceará (através da Secult), parceria da Associação dos Produtores Independentes do Ceará (Aproince), Casa do Blues, Empire Records e produção de Rafael Bandeira.

Influência tecnobrega?

Strokes surpreende com o single "tecnobrega"(?) "One Way Trigger"

Desde sexta, os fãs do Strokes estão intrigados com "One Way Trigger", primeiro single do quinto disco. Com um jeitão todo tecnobrega, Gaby Amarantos que o diga (e já disse que vai fazer a sua versão em português!), a canção tem dividido opiniões nas redes sociais. Teve gente que ficou indignado, fez piada e há quem, do tipo mente aberta, curtiu. Se é o DNA falando mais alto - do apenas nascido no Brasil - batera Fabrizio Moretti, ou se a onda paraense chegou nos ouvidos dos caras ou uma (in)feliz coincidência, o que nos resta é aguardar pra ver. No You Tube repercute vídeo vendendo a ideia que o Strokes teria supostamente gravado o clipe no Brasil. A paródia junta cinco caras fantasiados de Fofão, Capitão América, Pato Donald e Mickey correndo na rua, se requebrando e fazendo marmota. Ô, comédia! Veja aqui: http://ow.ly/hbgcc

De volta?

Supra-sumo da música eletrônica, o Daft Punk deve retornar em breve, após ser contratado pela Columbia Records. Com a novidade, tem se especulado que os franceses devem sair ainda este ano com novo registro, após "seca" de sete anos.

À moda antiga!

Iggy Pop & The Stooges terminou as gravações de "Ready To Die". A mixagem do disco ficou a cargo do produtor Ed Cherney, que definiu: "Será um álbum do Stooges a moda antiga, é cru".

Mais informações

Rock, Maracatu e Baião
Oficinas hoje, de 18h às 21h, com Felipe Cazaux e Jefferson Gonçalves, no auditório do Dragão do Mar de Arte e Cultura. Na sexta, acontece o tributo a Gonzagão, 21h, no anfiteatro do Dragão do Mar. Ingresso: 1kg de alimento. (85) 3219.3931

Ponto.CE revela headliners

Festival traz pela primeira vez a Fortaleza a banda Vanguart

Reforçando sua vocação de festival independente, o VII Ponto.CE, confirmado para ocorrer de 7 a 10 de março, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, escalou grandes nomes da cena, à margem da indústria mainstream, mas respaldadas pela crítica e o público, cada vez mais crescente.

O destaque ficou por conta da cuiabana Vanguart, que chega pela primeira vez a Fortaleza só agora, mesmo sendo tão destacada do meio, premiada inclusive no VMB 2012 na categoria melhor banda.

Entraram também na programação o carioca BNegão com o seu projeto paralelo, Os Seletores de Frequência, e a pernambucana Academia da Berlinda, já bem conhecida do público alternativo local. O restante da grade, que será composto por grupos regionais, ainda será anunciado.

BNegão é também atração

Com esse line up de sons tão ecléticos, o Ponto.CE diversifica ainda mais o seu cardápio musical, flertando cada vez mais para a cultura latino-americana, proposta essa mais condizente ao seu formato de festival, que agrega ainda audiovisual e dança entre as zonas de atuação artísticas.

Na nova edição, o evento fortalece sua proposta de converger em seus percursos: público, artistas, incentivadores, pensadores, produtores, aprendizes, técnicos e linguagens artísticas; ilhas na rede que crescem dentro do mercado cultural ocupando espaços geográficos, sociais e imaginários da sociedade.

Mais informações

VII Festival Ponto.CE
De 7 a 10 de março, no Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. Atrações confirmadas: Vanguart, Academia da Berlinda e BNegão & Os Seletores de Frequência. Ingresso: 1kg de alimento não-perecível.