A arte e o pensamento na encruzilhada contemporânea

Encontro internacional interdisciplinar acontece amanhã e quarta-feira, no Centro Cultural do BNB

Não é de hoje o flerte entre arte, ciência e tecnologia. No entanto, a partir das últimas décadas do século XX e início do XXI, a relação vem sendo cada vez mais próxima, sobretudo com a entrada em cena das novas tecnologias da informação. Do aperfeiçoamento da perspectiva no Renascimento até chegar à arte contemporânea, desenvolvida na sociedade da informação, muito caminho foi percorrido, além do mundo passar por diversas transformações. "Como essa arte contemporânea se relaciona com o mundo contemporâneo?", indaga Cesar Baio, artista, pesquisador e professor de Cinema e Audiovisual do Instituto de Cultura e Arte da Universidade Federal do Ceará (ICA/UFC). O questionamento vale, também, como convite para o simpósio internacional "A vida secreta dos objetos", que pretende discutir a mudança de paradigma que se propõe pensar a relação entre homem/ciência/vida contemporânea e arte.

O alemão Siegfried Zielinski, autor de "Arqueologia da Mídia": conferência no CCBNB


O evento, que reúne 20 convidados, entre teóricos da comunicação, filósofos, pensadores e artistas nacionais e internacionais, acontece amanhã e quarta-feira, no Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB). Para mostrar as diversas formas possíveis de diálogo, o simpósio será aberto por uma "pré-conferência performática" - "Outras formas de dizer: performatividades e sonoridades", encenada por um grupo de artistas cearenses, às 16 horas.

Em seguida, o teórico da comunicação norte-americano Richard Grusin profere conferência, às 17 horas. Na sequência, o teórico da comunicação Norval Baitello, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), participa de mesa juntamente com o pesquisador e performer Wellington Júnior (UFC). Encerrando o primeiro dia, o filósofo Graham Harman, da Universidade Americana do Cairo, fala sobre a nova epistemologia das ciências humanas.

Zielinski e Flusser

No segundo dia, Regina Silveira, uma das artistas visuais brasileiras mais conhecidas no cenário internacional faz a primeira conferência do simpósio, que será encerrado com a palestra de Siegfried Zielinski, teórico de mídia alemã, considerado o fundador da arqueologia da mídia. Em outras palavras, a teoria lança o desafio de como pensar os processos midiáticos contemporâneos com os utilizados nos primórdios das mídias, explica Cesar Baio. Antes, acontece a mesa "Vilém Flusser: materialidades emergentes da arte e tecnologia", sobre o filósofo theco que morou 30 anos no Brasil, produzindo até o fim dos anos 1980.

Interseção

Dentre as transformações que vem ocorrendo na atualidade, uma delas chama a atenção da comunidade científica mundo afora: a interseção entre as diversas áreas do conhecimento. Ou seja, como os saberes se inter-relacionam, mas sem perder de vista a arte. Trata-se de uma nova "epistemologia das ciências humanas", explica Cesar Baio, que coloca mais um ingrediente na discussão, como essas propostas artísticas se inserem no contexto do mundo contemporâneo no qual as novas tecnologias da comunicação também se encontram.

Conforme Baio, o projeto é realizado pelo Banco do Nordeste (BNB) com apoio da UFC e circula pelas cidades do Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo e Fortaleza. Cada cidade enfocou uma área do conhecimento. No caso de Fortaleza, a arte vai servir para pontuar as discussões em torno dessa mudança de postura de pensar a ciência.

A proposta é discutir um outro caminho para se chegar ao conhecimento no campo das ciências humanas. "Essa nova epistemologia se desdobra na arte", explica Cesar Baio. O desafio maior é tentar construir uma narrativa a partir da junção de discursos produzidos por teóricos da comunicação, antropólogos e artistas. Daí, a palavra de ordem do evento, com duração de dois dias, ser discutir a construção de outras possibilidades de uma nova relação entre arte, ciência e sociedade.

Diferentemente da arte, que sempre manteve uma certa aproximação com outras áreas do saber, "a ciência compartimentava muito o conhecimento", esclarece Cesar Baio, chamando a atenção para essa "divisão" que, aos poucos, vem desaparecendo. Hoje, a interdisciplinaridade, sobretudo quando está em construção a sociedade do conhecimento, vem se tornando mais aceita, destravando as portas das ideias. Tanto nos laboratórios de pesquisa quanto na formulação do pensamento das ciências humanas é possível perceber essa aproximação. O fato demonstra que o "conhecimento não é estanque, sendo essa realidade mais evidente hoje".

A versão cearense do projeto "A vida secreta dos objetos" que foca sua temática na arte, em especial as visuais, é uma demonstração de que é possível um diálogo plural não apenas entre as áreas do conhecimento, mas também das instituições. O projeto é fruto de parceria com o curso de Cinema e Audiovisual e com a Comissão de Implementação do Mestrado em Artes da UFC e mais sete programas de pós-graduação em comunicação brasileiros.

A coordenadora do seminário, Jacqueline Medeiros, afirma que a realização do simpósio é uma maneira de colocar Fortaleza no circuito das discussões que acontecem em outras quatro cidades, além de considerar oportuno o tema. "A arte está no dia a dia das pessoas", revela, destacando a difusão das artes visuais. Outro ponto observado, a participação dos artistas nas discussões, assim podem falar de como se relacionam com o mundo através da arte.

O artista, professor do Ica e um dos organizadores do simpósio, Yuri Firmeza, destaca, ainda, a pluralidade de vozes, ao ressaltar que também participam pessoas que não estão vinculadas a nenhuma universidade. Além de artistas que não estão em instituições. Será um espaço para discutir "essa ideia de deslocamento epistemológico das ciências humanas e o nosso modo de estar no mundo". Fala das novas abordagens do artista com o mundo e sua relação com a ciência. "Como o artista pode se relacionar com essa realidade?", pergunta o artista, que questiona o seu lugar nesse contexto de mundo pautado por relações intermediadas pelas tecnologias.

SAIBA MAIS

Programação do Simpósio

Dia 7/08


15h30 - Abertura
16h - Pré-Conferência Performática ( "Outras formas de dizer", com Yuri Firmeza e Uirá Reis)
17h - Conferência de abertura com Richard Grusin
18h - Mesa "Medialidades: atravessamentos entre arte e mídia", com Norval Baitello e Wellington Jr.
19h30 - Conferência com Graham Harman

Dia 8/08

14h30 - Regina Silveira (conf.)
15h30 - Mesa: "Vilém Flusser: materialidades emergentes da arte e tecnologia", com Cesar Baio e Erick Felinto
17h - Mesa: "Corpos pós-biológicos: diálogos entre arte e ciência", com Yuri Firmeza e Tadeu Capistrano
18h - Conferência de encerramento com Siegfried Zielinski

Mais informações:

Simpósio Internacional "A vida secreta dos objetos". Dias 7 e 8 de agosto, a partir das 14h30, no Centro Cultural Banco do Nordeste (Rua Floriano Peixoto, 941, Centro). Grátis. Contato: (85) 3464.3108

IRACEMA SALES
REPÓRTER