Cearense que luta contra câncer raro cria campanha para arrecadar recursos para tratamento

A campanha é em prol de custear tratamento alternativo para um raro câncer de ovário, descoberto há quatro anos pela jovem Iasmyne

Legenda: A estudante de psicologia de 27 anos, descobriu o câncer em 2016 quando foi fazer uma operação para retirada do apêndice.
Foto: Arquivo Pessoal

Esperança. É exatamente a esperança em tratamentos alternativos para o raro câncer de ovário que move Iasmyne Szasz, 27 anos, acometida pela enfermidade, e quem convive com ela. Familiares e amigos da jovem estão à frente de uma campanha online para arrecadar fundos com objetivo de custear tratamentos alternativos contra o câncer no peritônio, o qual a jovem enfrenta há quatro anos.

A doença silenciosa e agressiva foi descoberta quando Iasmyne tinha apenas 23 anos, em uma operação para retirada do apêndice, e surpreendeu pelo diagnóstico, pois o câncer no peritônio foi considerado raro pela jovem não ter histórico familiar e estar na faixa etária dos 20 anos, quando geralmente esse tipo de câncer se desenvolve depois da menopausa. Desde então, ela já passou por três reaparições da doença, algumas cirurgias e várias internações. Além disso, teve o câncer considerado crônico pela equipe que a atende no Instituto do Câncer do Ceará (ICC), ou seja, sempre há possibilidade de retorno. Com isso, familiares e Iasmyne lutam para conseguir custear outras opções de tratamento.

"Hoje, a vakinha tem um propósito de cobrir um tratamento hormonal, que ela está fazendo, que não foi aprovado pelo plano de saúde porque não tem as características do tumor original dela, porque é originalmente para câncer de mama, mas a médica encontrou semelhanças. Então, a gente resolveu investir. Como o remédio é caro, a vakinha vai colaborar para isso", explica Roberic Szasz, pai da jovem e quem fica à frente da campanha. 

A campanha foi criada há nove meses, a princípio com intuito de buscar tratamentos alternativos no exterior, mas a pandemia do novo coronavírus pausou os planos da família. "No momento, o tratamento internacional não é viável por conta da pandemia, mas estamos apostando que quando a pandemia passar, possa haver uma possibilidade. Continuamos pesquisando, procurando universidades e laboratórios de pesquisa. Não sabemos quando isso vai ser viável pelo momento de pandemia", comenta Roberic.  

Hoje, com o intuito é arrecadar R$ 80 mil, para financiar o tratamento que não tem cobertura pelo plano de saúde e um possível tratamento no exterior, quando passar o período de pandemia, a jovem se sente agradecida por todo esse movimento de apoio que têm recebido. “Agradeço de coração a quem puder contribuir com a minha vida e minha luta. Afinal, o jogo só acaba quando termina! E eu lutarei até o fim. Obrigada a todos pela energia positiva e orações”, destaca Iasmyne Szasz na página da campanha. 

"Ser suporte"​

O pai de Iasmyne, apesar do momento difícil e dos vários altos e baixos que doenças como o câncer proporcionam, enfatiza que a esperança pela cura não pode deixar de existir. "Eu não quero que minha filha veja em mim um ponto de fraqueza, e sim, um ponto de suporte. A Iasmyne esta sempre sorrindo, ela é uma menina que não desiste nunca", enfatiza o pai.

"Se ela que está passando por isso há quatro anos, que praticamente não tem outra rotina além de hospital, casa, cama e aparelhos. Então se essa menina consegue sorrir com isso, e ter esperança, quem sou eu para não manter essa esperança também?", conclui emocionado. 

Como ajudar

Você pode ajudar na campanha contribuindo pela Vakinha online ou através da seguintes formas: 

PayPal - iasmyne.andrade@gmail.com

Banco do Brasil

Agência: 3655-2

Conta corrente: 058923-3

Iasmyne Andrade de Szasz 

Itaú

Agência: 7412

Conta corrente: 41760-7

Iasmyne Andrade de Szasz

Caixa Econômica

Agência: 0926

Conta corrente: 2673-8

Operação 001

Roderic Terence Gonçalves de Szasz

Bradesco

Agência: 2194

Conta corrente: 22923-7

Roderic Terence Gonçalves de Szasz

Quero receber conteúdos exclusivos do Dias Melhores