Reportagem DOC

Times esquecidos

Partida entre Ferroviário e Calouros do Ar, no PV
00:00 · 08.07.2017 / atualizado às 00:10 por João Bandeira Neto - Editor-assistente

Dos tempos de glória ao esquecimento. Esse é o panorama de alguns times que já chegaram ao lugar máximo no cenário do futebol cearense. Equipes campeãs e que arrastavam multidões aos estádios, hoje, estão falidas e esquecidas por grande parte dos amantes do futebol no Ceará.

Se atualmente o título de campeão local é alternado entre Ceará e Fortaleza, durante mais de três décadas, o futebol cearense teve vários campeões diferentes e várias rivalidades foram criadas nesse período. Em um breve levantamento entre as décadas de 30 e 40, o campeonato cearense chegou a ser disputado entre cinco times com chances claras de serem campeões.

Prova disso é que por quase 20 anos, entre as décadas de 1920 e 1940, o Sport Club Maguary, conhecido como o "Clube dos Príncipes", figurou entre as principais forças do esporte no Estado, rivalizando com o Ceará o título de maior torcida do Estado. Forças como América, Orion, Gentilândia, Calouros do Ar e Tramways apareceram com grandes equipes e deixaram seus nomes marcados na história local.

Ao longo das reportagens seguintes, o Diário do Nordeste busca resgatar as campanhas desses times e entender o que levou à decadência equipes que tinham força dentro e fora de campo. Elas possuíam torcidas apaixonadas e presentes nos estádios, mas não suportaram a modernização do futebol. Fecharam suas portas e deixaram o esporte mais pobre historicamente.

Alternância nos títulos

Basta voltar algumas décadas para ver o quanto a disputa pelo título estadual foi rica. A década de 50 pode ser definida como a melhor época do futebol cearense, quando o assunto é alternância entre os times campeões.

Em um período de 10 anos, cinco times se revezaram nas conquistas. Manter a hegemonia era uma árdua tarefa.

"No início, os clubes medianos tinham condições de medir forças com equipes maiores. Com a globalização e profissionalização do futebol, essas equipes foram perdendo cada vez mais espaço e um dos fatores era o alto custo para tentar manter as equipes", comenta Vicente Kléber, pesquisador do futebol cearense.

E quem ilustra bem esse cenário é o América, time que foi campeão cearense duas vezes, com sede social e uma torcida que ganhava cada mais simpatizantes, mas que não teve condições para se manter entre os grandes do Ceará.

"O que acompanhamos ao longo da história do futebol cearense é que grandes equipes foram formadas, mas que a falta de apoio financeiro e de um tratamento mais sério acabaram fazendo com que esses clubes fechassem suas portas", avalia Eugênio Fonseca, pesquisador.

Se o tempo não foi generoso com esses campeões, a história reservou para eles momentos brilhantes e que serão resgatados nas matérias seguintes.

LEIA MAIS
Nobreza que virou passado
O campeão completo
Levantar a taça: um feito de poucos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.