Alteração hormonal

TPM: Doce, por que te quero?

00:04 · 30.04.2013
Se o doce na TPM é tão visado, as mulheres têm que saber a razão e o modo de lidar com as tentações sem exagero

O ciclo menstrual gera um turbilhão de mudanças não só no organismo feminino, por meio dos hormônios, como também no humor, nas formas corporais e, principalmente, no desejo em comer doce. Afinal, podemos nos dar esse luxo ou as consequências virão em quilos?

Desejado pelas mulheres no período pré-menstrual, o doce, com destaque para o chocolate, é uma grande tentação. Por um lado, alivia os sintomas da TPM, por outro, traz o ganho de quilos na balança se ingerido em excesso foto: Marília Camelo

Segundo a ginecologista e obstetra Aline Veras, mestre em Saúde Coletiva e especialista em Psicoterapia Psicanalítica, é preciso entender o corpo feminino e saber que as alterações hormonais são inerentes ao ciclo menstrual. Destaca-se a produção dos hormônios femininos, progesterona e estrogênio, que oscilam ao longo do mês.

Durante a menstruação, as taxas se encontram no nível mínimo. A partir dela, o nível de estrogênio aumenta até atingir o pico máximo por volta do 14º ou 15º dia do ciclo. “O estrogênio é o hormônio da feminilidade, que desenvolve as mamas e arredonda o quadril”, explica.

No entanto, o nível de estrogênio reduz gradativamente e a mulher começa a produzir a progesterona, cujo pico máximo ocorre após a redução de estrogênio. “A progesterona prepara a mulher para a gravidez, por isso, favorece a retenção de líquidos, o que provoca inchaço, aumento e dores nas mamas, além de dores nas pernas”, esclarece. Em seguida, os dois hormônios sofrem queda nos seus níveis, aproximadamente no 26º ou 28º dia, quando recomeça todo o processo.

De acordo com o período do ciclo menstrual, o desejo por doces está associado a uma substância que recebe interferência dos hormônios femininos e é produzida pelas células nervosas, chamada serotonina. Determinante no humor das pessoas, ela sofre oscilações. “Isso explica os sintomas psíquicos do período pré-menstrual. Quando cai a serotonina, a mulher sente compulsão por doces, principalmente por chocolate. A ingestão de doces libera endorfina, dando uma sensação de bem-estar”, diz.

A nutricionista Sara Moreira, especialista em Nutrição Clínica, completa que, além dos fatores hormonais, a vontade de comer chocolate se dá por conta da sua composição nutricional (rico em açúcar e gordura), da textura e do aroma. Ainda defende que o chocolate pode ser consumido diariamente, desde que tenha quantidade determinada e siga recomendações específicas.

“Dê preferência ao chocolate meio-amargo, com mais de 70% de cacau, pois tem maior teor de nutrientes antioxidantes. Dentro do plano alimentar, orientado por um profissional capacitado a adequar às particularidades da paciente, ele pode ser inserido como uma sobremesa ou um lanche, sem nenhum problema”, pontua. Ela ressalta que o chocolate e qualquer outro alimento não possui a capacidade de engordar mais no período menstrual do que em outra etapa do mês. Tudo depende do controle sobre a quantidade ingerida.

Recomendações

Se resistir às tentações é a única maneira de não sucumbir com um simples pedacinho de doce, há formas de aliviar esse anseio. Para a ginecologista, o essencial é descarregar a tensão e aumentar a liberação de endorfinas. “Praticar atividade física, principalmente exercícios aeróbicos, como caminhadas, esportes (vôlei ou tênis) e artes marciais (muay thai). A musculação e o Pilates também contribuem”.

Aline Veras sugere o consumo de alimentos ricos em magnésio, pois aumentam a saciedade: leguminosas (feijão, soja, lentilha, ervilha), vegetais de folha verde escura (agrião, espinafre, rúcula), nozes e grãos de cereais integrais (aveia, granola, arroz, farinha de trigo integral).

A nutricionista aponta o cuidado com a qualidade, a quantidade e o tipo do alimento desejado. “Para evitar o consumo de itens ricos em calorias e pobres em nutrientes importantes, recomenda-se o fracionamento entre seis a oito refeições/dia, sem pular nenhuma delas. Além de escolher frutas e sucos para os lanches, montar um prato colorido no almoço e no jantar, eliminar açúcar, sal, cafeína, álcool, carne vermelha e outros alimentos gordurosos, ingerir maior quantidade de água”, reforça.

Ganho de peso

Outra queixa constante entre as mulheres é o inchaço durante a fase pré-menstrual ou TPM (tensão pré-menstrual). Isso se deve à retenção de líquidos provocada pela ação da progesterona. Trata-se de um efeito transitório, porém, muitas vezes, confundido com o aumento de peso.

A nutricionista destaca que é comum flutuação de peso em função do aumento do apetite nesse período. “O ato de 'beliscar' é prejudicial, porque em geral, escolhemos alimentos mais calóricos. Esse ganho de calorias extras pode chegar a até dois quilos”, diz. Diante das estatísticas, a solução é evitar os excessos.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.