SAÚDE

Saudação vínica!

00:34 · 09.01.2011
( )
Nunca o brinde "saúde" antes do primeiro gole fez tanto sentido. Na lista de benefícios da bebida estão vários pontos positivos. Estudos fomentam os motivos para se colocar o vinho no cardápio do dia a dia: ele faz bem ao coração e, segundo pesquisas recentes, uma de suas moléculas pode até combater o câncer. Antes de abrir uma garrafa, lembre da quantidade de saúde que cabe em uma taça.

Para o presidente da Associação Cearense de Amigos do Vinho (ACAV), Maurício Gomes, 51, ano passado houve um grande crescimento de amantes da bebida, de degustadores que procuram não só o prazer do álcool, o sabor das uvas, mas a receita para uma vida saudável. "O consumo está crescendo entre jovens e mulheres. Exemplo disso é o restaurante que sou sócio, das 10 mesas, 8 estão servidas com vinho. Combina-lo com alimentos é muito bom", explicou.

Além disso, ainda tem a satisfação da sociabilidade, da boa companhia, da conversa e do relaxamento que a confraria de amigos pode oferecer. "Assim, a cabeça e o corpo ficam tranquilos, tudo funciona bem melhor. É a cura pelo prazer", disse o presidente da ACAV, Gomes.

Rico em flavonóides, um potente inibidor da aterosclerose (endurecimento das artérias por placas de gordura com colesterol e cálcio), derrames e outras doenças cardiovasculares, além de reduzir em até 48% as lesões de aterosclerose já existentes, o vinho pode aumentar também a produção do óxido nítrico, que impede a aderência de certas moléculas nas paredes dos vasos e age como vasodilatador.

Alimento

Ele deve ser encarado como um alimento, deve fazer parte da refeição e ser apreciado na dose de dois a três cálices por dia para o homem, pouco menos de meia garrafa, e 30% a menos pela mulher, sem exageros. Para o presidente da Associação Cearense de Vinhos, mais que beber de qualquer modo, o ato de degustar, digerir com o corpo e com a alma, encanta os amantes.

Para Márcio Gomes, a bebida atiça todos os sentidos, desde a visão, passando pelo olfato e pelo paladar. "Daí todo um ritual que nos convida ao devaneio, tudo sem exagero e embriagues. É como curtir cada gole, cada ar que entrar no pulmão", comentou.

O consumo de vinho per capita no Brasil é de 2 litros por ano, o que coloca o país numa das últimas posições no mundo. A produção brasileira está em franca expansão, os números aproximam-se de 300 milhões de litros produzidos por ano, existem mais de 10 mil rótulos no Brasil.

Degustar consiste em apreciar e decodificar a maior quantidade possível de sensações que esta bebida é capaz de nos causar. O ato é dividido em três fases: análise visual, análise olfativa e análise gustativa, nesta ordem obrigatoriamente. Coloque um pequeno gole na boca e sorva demoradamente, apreciando sua doçura ou secura, sua acidez ou frescor, que no caso dos vinhos tintos, sua adstringência. Permita que o vinho, entre em contato com as diferente regiões da língua, que percebem distintamente cada sabor. Sinta o vinho e defina suas sensações. Tudo passa pelo ânimo e vontade de viver esse momento vínico.

Bom para tudo

Coração: o consumo moderado de vinho controla os níveis sangüíneos de algumas substâncias químicas inflamatórias chamadas citocinas. Estas, por sua vez, afetam o colesterol e as proteínas da coagulação. O vinho torna as plaquetas presentes no sangue menos aderentes e reduz os níveis de fibrina, evitando que o sangue coagule em locais errados. Estes efeitos poderiam prevenir o entupimento de uma coronária, evitando um infarto do miocárdio.

Cérebro: redução do risco de demência, incluindo o Mal de Alzheimer. Segundo alguns especialistas, os polifenóis presentes no vinho (principalmente nos tintos) seriam os responsáveis por evitar o envelhecimento das células cerebrais.

Pulmão: redução das chances de uma infecção pulmonar, sendo mais eficaz que alguns antibióticos modernos.

Aparelho urinário: capaz de reduzir em até 60% o risco de formação de cálculos urinários, ao estimular a diurese.

Diabetes: melhora a sensibilidade das células periféricas à insulina, sendo interessante nos pacientes não insulino-dependente.

Sangue e anemia: o álcool ajuda o organismo a absorver melhor o ferro ingerido nos alimentos. Além disto, um copo de vinho tinto contém, em média, 0,5mg de ferro.

Ossos: capaz de melhorar a densidade óssea, reduzindo as chances de osteoporose.

Visão: reduz a degeneração macular, causa comum de cegueira em idosos.

Câncer: A possibilidade de que os antioxidantes presentes no vinho pudessem prevenir alguns tipos de câncer despertou o interesse de muitos pesquisadores em todo o mundo.

Alguns estudos populacionais mostram redução da mortalidade por doença coronária e por câncer. Por exemplo, homens que consomem vinho regularmente têm menor chance de desenvolver Linfoma não-Hodgkin.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.