DISPOSIÇÃO

Reprograme o corpo para viver melhor

23:53 · 16.07.2011
( )
Falta de tempo não é desculpa para não começar uma atividade física. Caminhar ou fazer exercícios aeróbicos durante pelos menos meia hora por dia são alternativas eficientes
Falta de tempo não é desculpa para não começar uma atividade física. Caminhar ou fazer exercícios aeróbicos durante pelos menos meia hora por dia são alternativas eficientes ( FOTO: ARQUIVO )
Aliar exercícios físicos a uma dieta inteligente e equilibrada ajuda a conhecer o próprio corpo, potencializando o seu funcionamento e possibilitando a aquisição de hábitos de vida mais saudáveis

Mudar de hábitos é o segredo para qualquer pessoa que busque por uma vida mais saudável. Por outro lado, é também a parte mais difícil, uma vez que o corpo e a mente, já acostumados a uma rotina, teimam em não colaborar. Para essa mudança, dar o primeiro passo torna-se essencial, buscando motivação e entendendo que, além de conquistar um físico esteticamente mais harmonioso, pode-se conseguir, acima de tudo, um corpo saudável capaz de enfrentar as exigências do dia a dia.

Além de mudar a estratégia na alimentação, o ideal é estabelecer um plano de atividades físicas, que proporcionará inúmeros benefícios ao corpo. "A estética vai ser uma consequência do exercício físico. Este vai servir, na verdade, para controlar fatores de risco para várias doenças crônicas como diabetes, hipertensão e até mesmo depressão", diz o personal trainer especializado no treinamento de atletas de alto nível e colunista da revista Época, Márcio Atalla.

Segundo ele, que também apresenta o programa "BemStar" na GNT e participou recentemente do quadro "Medida Certa", do Fantástico (Rede Globo), muitas pessoas pensam que a melhor maneira de emagrecer é fechar a boca, porém, essa revela-se como a pior estratégia. "Comer menos sem se movimentar ocasiona a desaceleração do metabolismo e, para conseguir emagrecer, temos de diminuir a alimentação ainda mais", enfatiza.

Motivação

O começo é sempre difícil, pois todo corpo tem um padrão, e leva tempo até acostumá-lo a uma nova rotina. Porém, quando fazemos com que ele entenda, através da prática diária, que deve estar sempre em movimento, o gasto calórico se torna muito mais eficiente e a estocagem de gordura bem menor. "Após três semanas o corpo já se acostuma a comer menos, já no que diz respeito ao exercício, não há limites. Com o tempo, somos capazes de fazer mais e mais", explica Márcio Atalla.

"Comecei a me exercitar todos os dias. No início, bem leve, mas quando vi, estava subindo de bicicleta até o Cristo Redentor! Em relação aos hábitos alimentares, aprendi a usar o bom-senso. Antes fazia tudo errado. Conforme fui me alimentando corretamente, a atividade física foi ficando mais prazerosa", conta a jornalista Renata Ceribelli, que participou ao lado de Zeca Camargo do "Medida Certa", o que a possibilitou, além de perder peso e medidas, ganhar nova disposição e se sentir menos estressada e ansiosa.

Muitas pessoas não têm a perda de peso inicial que desejam e por isso desistem. O ideal, conforme Atalla, é nunca se prender a resultados, pois o que se deseja é um corpo mais saudável. As medidas a serem consideradas são as de gorduras corporais e a da circunferência abdominal e não o peso na balança.

Na reprogramação, é comum que a perda inicial seja lenta. Desistir é palavra proibida, e a motivação deve ser buscada sempre, seja na melhoria da autoestima, com a roupa que voltou a servir e com a nova disposição para o corpo, seja ao admirar o sol durante a caminhada ou desfrutar da companhia dos amigos em um jogo de futebol.

Se a desculpa é falta de tempo, Renata Ceribelli é exemplo de que, quando há força de vontade, até 30 minutos diários podem resolver o problema. Usar alternativas como subir escadas, ir para o trabalho de bicicleta, fazer abdominais em casa, pular corda, dentre outras, podem fazer parte desse treinamento.

Para estimular aqueles que ainda não aderiram à repro-gramação, Márcio Atalla e Renata Ceribelli estiveram em Fortaleza, no dia 9 de julho, na "Caminhada Medida Certa", no Parque do Cocó, que contou com a participação de 3.800 pessoas.

Sem restrições

O profissional (educador físico e nutricionista) é peça-chave nessa nova fase, que deve se prolongar durante toda a vida. É ele quem indica os caminhos, tira dúvidas e evita que vários erros em relação à saúde sejam cometidos. "Ao contrário do que se pensa, o que devemos fazer é cortar as gorduras saturadas e privilegiar os carboidratos. Como vamos ter energia necessária para fazer atividades físicas? Muitas pessoas não têm disposição justamente por pensarem que o carboidrato é um vilão, porém, esse tipo de dieta restritiva funciona apenas por um curto período de tempo", explica Márcio Atalla.

Renata Ceribelli conta que ela mesma evitava comer massas, principalmente à noite. "Quando ia malhar, não tinha resistência. Quando o Márcio me mandava comer macarrão ou tomar um achocolatado light, eu achava que ele estava ficando louco".

Sem dietas rígidas, sem metas pré-estabelecidas. Aprender a comer com qualidade e sem exageros, além de se exercitar usando o tempo e os materiais disponíveis possibilita que qualquer um inicie uma nova postura. É a reprogramação do corpo que possibilitará levar esses novos hábitos para o resto da vida.


Exercícios

"As pessoas querem resultados rápidos e arriscam a saúde em dietas restritivas"

"Basta ocupar entre 70% e 80% dos dias com exercícios, para o corpo se acostumar"

Márcio Atalla
Personal trainer especializado no treinamento de atletas de alto desempenho


Mudando de hábitos

Praticar exercícios físicos aeróbicos por pelo menos 150 minutos semanais (preferencialmente divididos em cinco dias);
Comer fracionado (com intervalo de 3 em 3 horas);
Cortar alimentos ricos em gorduras saturadas;
Ingerir alimentos ricos em fibras e evitar aqueles que contenham muito sal e açúcar;
Beber bastante água (pelo menos dois litros por dia);
Dormir bem (cerca de 8 horas por dia.


ANAMÉLIA SAMPAIO
REPÓRTER

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.