Entrevista com Sylvia Goulart

Personal baby orienta mães para proceder seguramente

00:00 · 23.12.2013
Ter um bebê é um ato natural de toda mulher. Cuidar dele também. No entanto, saber a importância dos seus atos faz toda a diferença

Qual a importância da amamentação para o desenvolvimento orofacial do bebê?

É um alimento completo, contendo nutrientes indispensáveis para o desenvolvimento do bebê nesta faixa etária, além de ser o único composto por substâncias protetoras contra vários tipos de doenças infectocontagiosas. O colostro, substância mais viscosa e com concentrações maiores de proteínas, minerais, vitaminas e agentes imunológicos que o leite "maduro", só está disponível durante os primeiros dias após o parto. Por isso é tão importante que o bebê tenha acesso à amamentação logo após o nascimento. A amamentação garante um perfeito desenvolvimento orofacial dos bebês com a realização simultânea de três funções: sucção, deglutição e respiração. Isso quer dizer que estruturas orais como língua, lábio, bochechas, ossos e músculos da face se desenvolvem e se fortalecem com o ato de sugar. A facilitação do processo de sugar pode acarretar futuros prejuízos ortodônticos e fonoarticulatórios (trocas na fala, protrusão de língua, respiração bucal, etc) para a criança.

A fonoaudióloga Sylvia Goulart, da Clínica Evangelista Torquato, atua há sete anos como personal baby no atendimento a gestantes e mamães que desejam tomar consciência dos atos para tratar seu bebê da melhor maneira possível Foto: Alex Costa

Como a mãe pode prevenir possíveis problemas durante a gestação?

O ideal é que, ainda na gestação, a mulher procure dar banho de sol nos mamilos e evite o uso de produtos (cremes, pomadas e hidratantes) que possam deixar a pele mais sensível, pois queremos que ela fique bem resistente. Se o mamilo da futura mamãe é do tipo invertido ou plano, ela poderá utilizar uma concha com disco rígido para auxílio na amamentação. Esta é recomendada para uso diário, no final da gestação, algumas horas por dia. É importante lembrar sempre que o bico do seio não determina a condição da amamentação, este é apenas um facilitador da pega pelo bebê, mas não o essencial para ter uma amamentação de sucesso. Todos os tipos de seio são passíveis de amamentação.

O que deve ser feito para preparar corretamente a mama para o bebê?

A mulher deve continuar com os mesmos cuidados iniciados durante a gestação e oferecer a mama normalmente ao bebê, sem nenhuma higienização imediata antes a amamentação. Deve evitar o uso de cremes, pomadas, hidratantes e perfumes fortes.

Como evitar a ocorrência de fissuras nos mamilos. É correto afirmar que passar uma toalha molhada nos mamilos e expor ao sol no período da manhã ajuda a evitar as fissuras?

Se ocorrerem rachaduras e fissuras, a mãe deve ajustar imediatamente a pega, pois isso que causou o trauma mamilar. Deve deixar o ferimento arejado o máximo de tempo possível, passando sempre o próprio leite materno e se necessário, fazendo o uso das conchas para amamentação. As conchas isolam a mama ferida de todo o contato, auxiliando no processo de cicatrização. O sol é muito bom para os mamilos, mas a esfregação da toalha deve ser evitada pois pode causar a contração uterina. O cérebro interpreta que há alguém mamando e pode contrair o útero. Esses tipos de estímulos precisam ser evitados, pois quanto mais estímulos mais riscos.

Como evitar o leite "empedrado"? Qual a causa?

Esse leite empredado é chamado de ingurgitamento mamário, muito comum nos primeiros dias após o parto. O seio fica "endurecido", com pontos dolorosos, causado pela estase do leite, um desequilíbrio entre a produção pelo organismo e o consumo do bebê. A mãe deve drenar o excesso deste leite, desmamando sempre antes de colocar o bebê para mamar. Quando a mama está muito cheia o bico e a aréola estão muito esticados, dificultando a pega correta pelo bebê e, invariavelmente, causa fissuras. A ordenha manual é a melhor opção. A mulher deve continuar com a amamentação em livre demanda e seu organismo ajustará a produção de leite.

O que pode ser feito para aumentar a produção de leite?

É muito importante que a mãe ingira bastante líquido durante o período de amamentação, principalmente água. Esta garante a hidratação, essencial para uma boa produção de leite. Quanto aos alimentos, é interessante que a mãe tenha uma alimentação rica em frutas, legumes, verduras e cereais. A amamentação tem que ser em horário de livre demanda, ou seja, sempre que o bebê quiser mamar. Aos poucos a mãe aprenderá a reconhecer o choro de fome, sono, frio, calor, fraldinha suja e, é claro, a hora do colinho de mãe. Outro fator fundamental é o descanso da mãe. Uma mãe estressada pode ter uma queda na produção de leite. Então, são esses quatro fatores: água, boa alimentação, amamentação em livre demanda e descanso.

Qual o erro frequente cometido pelas mães na amamentação?

Sempre que possível, deve-se evitar o uso de chupetas e mamadeiras durante o processo de amamentação. Sendo realmente necessário, opte por chupetas e bicos ortodônticos e procure oferecê-los após o primeiro mês de vida, onde a fase de adaptação já passou e o bebê já "sabe" mamar. Isto porque é muito comum a "confusão de bicos", o bebê faz pega e sucção diferentes na mama e nestes utensílios, causando desmame precoce. É muito comum que as mães ofereçam o seio ao bebê durante as crises de cólicas, frequentes no primeiro trimestre de vida dos pequenos. Essas cólicas aparecem devido, principalmente, à imaturidade do sistema digestivo do bebê. Conforme ele vai amadurecendo, desaparecem. Durante as crises, é importante não fica o tempo todo oferecendo a mama. Eles ficam ansiosos, querem sugar, ingerem leite e pioram o processo da cólica. Alimente-o como de costume e tente acalentá-lo sem mamar, pois dessa forma a cólica passará. É importante a mãe oferecer um seio de cada vez a cada mamada para garantir um ganho de peso ideal para o bebê. Jamais oferecer o mesmo seio em duas mamadas seguidas. Assim, o bebê recebe um leite rico em proteína e açúcar inicialmente (leite anterior) e após alguns minutos de mamada um leite rico em gordura (leite posterior). A alternância de seios durante a mesma mamada pode desorganizar este ganho de nutrientes, podendo fazer com que o bebê esteja alimentado, porém sem ganhar o peso adequado, este garantido pela gordura proveniente do leite posterior. Sem acesso frequente ao leite "gorduroso" muitos bebês acabam recebendo complemento, visto que não ficam "saciados" (leite rico em gordura garante esta saciedade) e nem ganham peso de forma esperada.

A partir de quantos meses o bebê passa a não necessitar de tantos cuidados para uma correta amamentação?

Acontece normalmente no primeiro mês de vida. Após este período, o processo se dá naturalmente, não exigindo da mãe muitos cuidados. Amamentar pode não ser tão fácil, principalmente no período inicial, de adaptação. Mas é um sonho totalmente possível, que deve ser vivido por todas as mães que assim desejarem. Também é sempre bom lembrar que, ao menor sinal de dúvida ou dificuldade, vale a pena procurar orientação de profissionais especializados no assunto, eles serão facilitadores na realização desse sonho. A amamentação, sem sombra de dúvida, é o melhor alimento que uma mãe pode oferecer ao seu filho, por isso vale a pena tentar, se esforçar e não desistir ao menor sinal de dificuldade ou cansaço, pois os reflexos desse ato trarão benefícios que irão perdurar por toda a vida desse indivíduo.

Postura adequada

A pega correta é essencial para evitar as temidas fissuras e rachaduras no seio;

Procure um ambiente tranquilo e arejado para amamentar;

Sente-se em posição confortável, com os pés apoiados no chão;

Segure o bebê virado para você, barriga com barriga, de forma que a cabecinha dele fique na altura do seu cotovelo e sua mão na altura do bumbum do bebê;

A boca do bebê é que deve ir ao encontro do seio, pois o contrário pode machucar a mama devido ao esforço que o bebê faz para mantê-la em sua boca;

Passe o seio na boca do bebê. Ele irá abri-la de forma ampla. O ajude inserindo a maior parte do bico e da aréola. Isso irá garantir uma boa pega, sem dor para a mãe e com boa extração de leite (este armazenado diretamente atrás da aréola);

Ao agir assim, perceberá que quando o bebê mama não haverá dor no seio (se existir, deve-se tirá-lo e colocar novamente). O bebê estará com a boca bem aberta, com os lábios invertidos para fora e com a ponta do nariz tocando a mama;

O processo se instala rapidamente, permitindo que a mãe possa amamentar em vários locais e maneiras diferentes.

Vicky Nóbrega
Especial para o Vida

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.