Essências

Pelos aromas

20:38 · 24.11.2007

Usar essências no dia-a-dia traz saúde e bem-estar pela memória de prazer dos bons aromas


Sentir no ar um cheirinho bom, uma fragância peculiar que acesse boas lembranças como o frescor da manhã ou momentos de pura alegria e prazer, quem diria, é sempre agradável e até terapêutico.

Mas, a escolha do aroma pode ser realizada de forma mais consistente, por meio do conhecimento científico dos óleos essenciais, os quais constituem a base da aromaterapia. Na realidade, trata-se de uma prática que lança mão de óleos 100% puros, como esclarece a especialista Gorethi Moura. A abordagem tanto ajuda a prevenir como a tratar - de forma complementar - problemas físicos, psicológicos e energéticos, com vistas a proporcionar o bem-estar geral. Inclui o preparo de cremes e outros produtos para embelezar a pele, cabelos, além de auxiliar no tratamento de doenças comuns, cuidar da alma e relaxar o corpo e a mente.

A aromaterapeuta, também formada em terapia floral e especialização em terapia comunitária, pelo Programa Quatro Varas -Pirambú e Família e Casais, pela Universidade Federal de Pernambuco, Gorethi ministrará no próximo dia 8 curso destinado a mulheres e profissionais responsáveis por tratá-las, ´Do Nascimento ao Pôr-do-sol´ . No dia anterior, 7, ela profere palestras vivenciais com a mesma temática, de manhã e à tarde, na loja Mundo Verde do Shopping Iguatemi.

Fitormônios

Os primeiros testes de Gorethi Moura com as essências aromáticas foram para checar sua validade e a influência das crenças sobre eles. Experienciou o óleo essencial de lavanda com uma amiga que lhe pediu ajuda. Com propriedades tanto emocionais como cicatrizante e regeneradora de tecidos, a lavanda também é muito empregada como sedativo natural, nos casos de insônia. O sono foi natural e tranqüilo.

O público feminino, tido como mais emocional, se beneficia muito com as essências, diz. Problemas femininos - como tensão pré-menstrual (TPM) -, que se sucedem da adolescência à toda fase reprodutiva da mulher, climatério e menopausa, podem ter na aromaterapia uma grande aliada. As mulheres devem tomar bastante cuidado, no entanto, porque se acredita que por ser natural, os óleos essenciais não podem causar prejuízos à saúde. Pelo contrário, há essências que são totalmente contra-indicadas nos casos de gravidez, por serem abortivas (como a canela e sálvia esclaréia), alerta a especialista.

Por outro lado, o óleo essencial de gerânio é um dos que acompanham a mulher em todos os seus ciclos geracionais e mesmo após eles, no climatério e menopausa. Conforme Gorethi, os estudiosos da aromaterapia científica descobriram que essa essência contém um fitormônio natural, transmitido não somente no contato mas no aroma, por meio da inalação. ´O gerânio é tido como o óleo da mulher, ajudando-a em todas as suas etapas de vida. Outro é a palmarosa, que traz tanto bem-estar como promove maior brilho e viço à tez e aos cabelos´.

A lavanda, prossegue, é empregada largamente em quase tudo. Quanto ao pau rosa, extraído quase todo no Brasil, é componente de vários perfumes estrangeiros, difícil de ser encontrado já que quase sua totalidade vai para a exportação. ´Esta é uma essência que agrada, conhecida como aquela que ajuda a pessoa a sentir permissão de ser feliz e ter sucesso´.

Acreditando que a autonomia seja importante, Gorethi Moura gosta, nos cursos que ministra, de ensinar seus participantes a prepararem óleos perfumados para massagem, cremes, sabonetes, shampoos e sais de banho com as essências, tudo com cuidado e material adequado para não causarem alergias ou agressões à pele. ´É importante que cada um descubra o mestre que existe dentro de si. Sou apenas uma facilitadora desse encontro´, atesta.

Prazer consigo

Quando trabalha com grupos pequenos (de três, quatro pessoas), ela diz que direciona as práticas, principalmente, para as necessidades pessoais de cada participante. ´Gosto muito de ensinar às mulheres como podem conquistar por si mesmas o próprio prazer de estarem bem e satisfeitas consigo´.

Variadas emoções podem ser aceitas e trabalhadas com os óleos essenciais, de forma agradável e bem feminina, diz. Medos, angústias, raivas (muito voltadas contra si) que geram também repercussões físicas são trabalhadas com as essências. O óleo aromático de pimenta cinza, por exemplo, é útil para problemas digestivos e diarréia. Já o de manjerona alivia enxaqueca e cólicas. Insônia, resfriados, reumatismo e até acne podem ser amenizados com o de cânfora.

FIQUE POR DENTRO

Sensibilidade olfativa ativa sistema límbico

Na história da civilização humana, as plantas medicinais e aromáticas foram utilizadas para purificar e perfumar ambientes, para afastar maus espíritos, tratar de problemas da pele ou físicos por meio das infusões. No antigo Egito, os aromas eram empregados nos processos de mumificação e em Roma, os banhos se notorizaram.

Nos anos mais recentes, a aromaterapia está inclusa no que os franceses denominaram de ´medicina doce´, formas menos invasivas de atuar sobre o corpo, a mente e as emoções.

Os estudos científicos indicam que há respostas químicas que ocorrem no organismo ao se inalar um aroma. A sensibilidade dos nervos olfativos sinalizam o sistema límbico que ativam o córtex e hipotálamo, estimulando os sistemas nervoso e endócrino, melhorando não somente as emoções mas os processos mentais.

Mais informações:
Aromaterapia, dias 7 e 8/12
Mundo Verde Iguatemi:
(85) 3241-4088/3262-4732
Studio Movimento Vida:
(85) 3264-8039/3086-3880

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.