Sabor e saúde

Nutrição funcional

00:00 · 24.10.2013

A gastronomia funcional tem se mostrado um bom caminho àqueles que almejam hábitos saudáveis adaptados às necessidades e limitações do organismo. Os benefícios aparecem rápido e são comprovados

Respeitar o corpo é respeitar a si mesmo. Por esse motivo, a gastronomia funcional tem atraído adeptos, ensinando que comida saudável também é saudável é muito fácil de saborear.

Semente de girassol e espinafre são ingredientes desse cupcake Foto: Divulgação

Marcelo Facini, consultor e chef em gastronomia funcional, explica que o princípio básico da é respeitar a individualidade bioquímica de cada indivíduo, atentando para as intolerâncias e alergias em prol da melhoria da qualidade de vida.

“Entende-se que 'o que é bom para um, pode não ser bom para o outro'. Respeitando esta particularidade, a gastronomia funcional em união com a nutrição funcional e nutrologia introduz alimentos funcionais e orgânicos no cardápio diário (alimentos ou ingredientes que produzem efeitos benéficos à saúde, além de suas funções nutricionais básicas)”, ensina.

A mudanças nos hábitos alimentares trarão benefícios, especialmente, quanto à redução dos risco de potenciais enfermidades como diabetes, artrite, rinite, constipação ou diarreia, doenças autoimunes e cardiovasculares, obesidade e até alguns tipos de câncer.

Naturalmente salutar

O consultor destaca que há uma lista de nutracêuticos (alimentos que oferecem efeitos positivos e comprovados à saúde e, por isso, devem ser consumidos regularmente), aprovada pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa). Dentre eles, destaque para a biomassa de banana verde, o cacau, a cúrcuma, a romã, o tomate, o brócolis, as frutas vermelhas, o alho, o chá verde, a soja, a cenoura, o mamão, o espinafre, o couve e a abóbora.

O segredo do preparo

Mesmo diante dos ganhos nutricionais desses alimentos, é indispensável tomar alguns cuidados ao prepará-los. Escolha os orgânicos e conheça quais deles potencializam a absorção dos nutrientes ao serem cozidos e quais podem perder a qualidade nutritiva com o cozimento. Além disso, entenda como os alimentos devem ser preparados e cortados antes de comê-los.

“A couve-flor, o brócolis (todo o grupo das crucíferas), bem como o alho, devem ser cortados em pedacinhos pequenos, deixados em repouso por cerca de 10 minutos e, só depois, podem ser consumidos, preferencialmente, crus. Já os peixes precisam ser marinados em chá verde para quelar as toxinas. As carnes, por sua vez, precisam estar sempre cozidas (temperatura entre 60 e 90 graus), mas nunca cozidas demais”, exemplifica.

Calorias em equilíbrio

Embora saudáveis, Marcelo Facini ressalta que, os pratos da gastronomia funcional não são necessariamente menos calóricos. O que está em jogo é a qualidade dos alimentos e a valorização de seus nutrientes, vitaminas e minerais. “O mais interessante é que nesta gastronomia se come muito mais e, mesmo assim, muitos perdem peso, sempre com qualidade, pois o corpo encontra o seu equilíbrio”, afirma.

Sobre o tempo dedicado para fazer as refeições por meio da gastronomia funcional e adequá-lo ao ritmo acelerado da vida, Facini afirma que não há tempo melhor investido do que aquele que dedicamos à alimentação e, consequentemente, a saúde. Ainda compara que, geralmente, encontramos tempo para todo o resto: ir ao cabelereiro, fazer compras, passear, trabalhar mais, malhar, sair com amigos, mas, quando se trata de alimentação, com a correria nos pegando, consideramos que “não há tempo” e que podemos comer “qualquer coisa”. “Uma vez que colocamos 'qualquer coisa' dentro de nós, poderemos esperar 'qualquer coisa' do nosso corpo, não é mesmo? Minha indicação é repensar alguns comportamentos e prioridades. Após isto, comprometer-se a comer em intervalos de três em três horas diariamente”, orienta.

Marcelo Facini frisa que ter o hábito de levar consigo lanches saudáveis (frutas orgânicas, castanhas, nozes, saladas e salgados funcionais) já é um bom começo.

Na prática

Aos interessados em aprender receitas nutritivas, nos dias 24 e 25 o Restaurante Fitfood by NCF recebe o curso de Gastronomia Funcional ministrado pelo consultor e chef em gastronomia funcional Marcelo Facini.
A organizadora e nutricionista funcional, Mirella Freire, informa que o curso é destinado ao público geral, nutricionistas, chefs e cozinheiros. “A criatividade do chef no desenvolvimento dessas receitas faz toda a diferença”, comenta.

Receita

Brigadeiro de grão-de-bico
Ingredientes:


• 2 colheres de sopa de óleo de coco
• 1 xícara de chá de farinha de grão-de-bico
• 1 colher de sopa de biomassa de banana verde
• 1 xícara de chá de leite de coco*
• ½ xícara de chá de stevia em pó
• 3 colheres de sopa de cacau orgânico
• ½ xícara de chá de cacau (70%) em lascas orgânico

Modo de preparo:

Em uma panela rasa, aqueça o óleo de coco e acrescente a farinha de grão-de-bico em fogo brando mexendo até começar a dourar. Adicione o leite de amêndoas, a biomassa de banana verde, stevia e misture até obter uma massa consistente e bem firme que desgrude da panela. Retire o conteúdo da panela e distribua em uma tábua de vidro ou mármore. Deixe esfriar. Faça pequenas bolinhas passando-as no cacau em lascas. Leve ao refrigerador por pelo menos uma hora. Sirva gelado.

Substituições:

Para o leite de coco: leite de arroz, leite de amêndoas, leite de macadâmia, leite de soja, leite de painço, etc.
Para o stevia: açúcar demerara

*Com esta mesma receita pode-se fazer o beijinho. Basta substituir o cacau por coco ralado.

Serviço:

Curso de Gastronomia Funcional

Onde: Restaurante Fitfood by NCF: Academia Central do Corpo – Engenheiro Luís Vieira, 920 - Dunas

Quando: dias 24 e 25 16h às 19h

Inscrições: atendimento@nutriclinicfuncional.com.br  / (85) 3081.1870 / 8601.8886 / 218117.15

Vicky Nóbrega
Especial para o Vida

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.