PREVENÇÃO

Novo conceito para a camisinha

13:11 · 06.03.2011
O HIV está longe de ser o único contágio a ser evitado com o uso do preservativo - masculino ou feminino; o vírus do papiloma humano (HPV) causa lesões pré-cancerosas
O HIV está longe de ser o único contágio a ser evitado com o uso do preservativo - masculino ou feminino; o vírus do papiloma humano (HPV) causa lesões pré-cancerosas ( )
( )
Com mais de uma década de criado, preservativo feminino entra na segunda geração e foca vulnerabilidade da mulher

A nova consciência feminina de preservar-se sempre, durante o ato sexual, seja no intuito dos auto-cuidados, a fim de evitar contágios de Doenças Sexualmente Transmissíveis- DSTs (como HPV , hepatite B e HIV/Aids), seja para evitar uma gravidez indesejada, passa há mais de uma década também pelo uso do preservativo feminino.

Embora, a princípio, tenha sido vista com bastante estranheza, a camisinha feminina hoje já recebe uma conceituação mais abrangente, dando à mulher autonomia e liberdade, para não ficar à mercê de um possível parceiro inconsciente.

A distribuição do produto destinado às mulheres, no momento bem mais reduzida do que a do preservativo masculino (desde o ano 2000 até 2010, a dispensação gratuita da camisinha feminina, no Brasil, alcançou a casa de 16 milhões), há alguns anos passou a ser melhor avaliada. Isso ocorre, sobretudo, porque as mulheres mantêm um comportamento ainda mais tradicional, em termos de ceder às solicitações masculinas quando eles não entendem a importância de se preservarem, assim como sua parceira sexual.

Sexo seguro

A adoção do sexo seguro é uma premissa para uma vida mais saudável, sem a exclusão de uma dimensão importante dela, que é a sexualidade. No decorrer dos anos, após os primeiros casos de Aids, os grupos que passaram a se cuidar mais foram justamente o das pessoas que descobriram sua sorologia positiva para o HIV, as quais faziam parte dos denominados grupos de risco. Por incrível que pareça, estes são grupos que mais se cuidam desde então, esclarecendo também os que necessitam se submeter à transfusões de sangue e homossexuais. Já os dependentes de drogas são esclarecidos por organizações destinadas à redução de danos.

Conforme a psicóloga e sexóloga Rose Villela, ainda que nos dias atuais se fale abertamente sobre sexo e sexualidade, o tema é tabu e a repressão feminina, um fato. A falta de compreensão e diálogo continua levando as mulheres a crescerem sem conhecimentos básicos sobre sua própria sexualidade, revela.

"Se, para os meninos o assunto já é tabu, para muitas meninas ele é proibido. A perpetuação desse discurso, por anos e anos, estigmatizou o sexo como algo indevido e sujo, principalmente, entre as mulheres", diz.

Villela, que é especializada em terapia reichiana, admite que por muito tempo as mulheres se preocuparam apenas em "servir" aos seus maridos e, com isso, já se mantinham submissas à suas vontades. "Se uma mulher exigisse de seu parceiro o uso da camisinha, poderia ser rotulada como infiel", destaca, lembrando sempre ter havido preconceito associado à necessidade de demonstrar um amor e confiança absoluta no parceiro.

Mesmo com o espaço social conquistado pelas mulheres, diz Villela, ainda se identifica a mesma dificuldade entre elas de negociarem o uso da camisinha com seus parceiros, admite.Continua na página 2

Fique por dentro
Feminização da Aids

Em Fortaleza ocorre o processo de implementação do Plano de Enfrentamento à Feminização da Aids. Em conjunto, com os Distritos de Saúde de todas as Secretarias (SERs) e com o movimento social, os grupos formados procuram concretizar ações pautadas no Plano de Ações e Metas da Coordenação Municipal de DST Aids e Hepatites Virais.

A transmissão horizontal preocupa. Além dela, a vertical (a transmissão do HIV de mãe para bebê é outra realidade frequente). Por isso, as unidades de saúde fazem a dispensação de preservativos masculinos e femininos, quando solicitados, (todos sob orientação) e exames.

Mudanças

95% dos casos de Aids identificados em mulheres brasileiras, somente no ano de 2009, foram decorrentes de relações heterossexuais desprotegidas (sem o uso de preservativos).

ROSE MARY BEZERRA
REDATORA

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.