DIRETRIZES

Normas para uso da meia elástica

03:48 · 16.10.2011
Tamanho adequado: deve-se medir a circunferência da panturrilha, do tornozelo e da meia-coxa
Tamanho adequado: deve-se medir a circunferência da panturrilha, do tornozelo e da meia-coxa ( Arquivo )
SBACV  estabelece normas para garantir a eficácia das meias de compressão

A Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), através da diretriz que trata da "Terapia de compressão elástica dos membros inferiores", confirma o benefício do uso de meias compressivas no tratamento das varizes e institui regras de como prescrevê-las com segurança.

Para usá-las corretamente, três questões são fundamentais, mas muitas vezes negligenciadas pelos usuários. Primeiro é preciso saber qual a compressão exata que o paciente necessita, pois varia de 10 mmHg a 60 mmHg, seguido de qual o melhor modelo (3/4, 7/8 ou meia tipo calça) e, finalmente, o tamanho exato da perna (P, M ou G).

Tratamento cirúrgico

Em processo de revisão pela Associação Médica Brasileira (AMB), há uma diretriz que diz respeito ao "Tratamento cirúrgico das varizes dos membros inferiores", onde trata sobre os tipos de procedimento: conservador, cirúrgico e endovascular. Os médicos fazem uma comparação da qualidade de vida do paciente após os diversos tipos de tratamento: medicamentoso, cirurgia aberta, radiofrequência endovascular, laser e escleroterapia com espuma.

A conclusão, quando comparada a cirurgia aberta com os tratamentos mais recentes (como a radiofrequência endovascular, o laser e a escleroterapia com espuma), foi que os menos invasivos proporcionam um retorno às atividades habituais mais cedo. No entanto, ainda não há estudos comparativos sobre a qualidade de vida a longo prazo (após 3 a 5 anos do procedimento), explica o coordenador nacional das Diretrizes da SBACV, Aldemar Castro.

Outras quatro normas em andamento tratam da escleroterapia, pé diabético, aneurisma de aorta abdominal e carótidas. "A atualização contínua é um ponto chave das diretrizes. As duas diretrizes lançadas serão atualizadas e aprimoradas constantemente", esclarece Dr. Aldemar Castro. Além dessas, ainda estão em andamento outras 20 diretrizes.

O objetivo dos trabalhos é uniformizar as condutas médicas, baseando-as em estudos científicos de boa qualidade. A meta é unificar as práticas em saúde, garantindo um melhor respaldo ao médico e uma maior segurança ao paciente. Até chegar a versão atual, foram necessários dois anos de estudo com o auxílio de 142 especialistas na área de cirurgia vascular.

Alívio das dores

De acordo com o cirurgião vascular e coordenador da diretriz que trata das meias elásticas, Marcondes Figueiredo, o uso do produto é vital no sentido de evitar dores no fim do dia, mas a técnica não evita o aparecimento das varizes, confirma. "A meia simplesmente diminui a dor e o edema (inchaço) daquelas pessoas que têm insuficiência venosa ou linfática. A pessoa não terá menos varizes se usar a meia, mas ganhará qualidade de vida, pois não sentirá tanta dor ao final do dia", explica.

O médico alerta que comprar uma meia sem saber exatamente qual é o melhor modelo no seu caso pode trazer uma série de problemas. "O que acontece muito e é errado, é pegar uma meia emprestada para usar. É importante ficar atento que cada pessoa terá a prescrição para uso de uma meia em específico. O que pode acontecer é do usuário não se adaptar à meia de outra pessoa e achar que o produto não é eficaz e simplesmente parar de usar", descreve.

A meia elástica compressiva ajuda no retorno do sangue ao coração. É altamente indicada para pessoas que têm varizes e ao final do dia ficam com dor e inchaço nas pernas. Em viagens longas é fundamental para proporcionar alívio.

Procedimentos

20 é o número de diretrizes em andamento. A atualização visa uniformizar as práticas; simplificar os procedimentos; fornecer parâmetros para o tratamento, reabilitação e diagnóstico.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.