PREVENÇÃO

Na intimidade masculina

20:51 · 06.08.2011
( )
( )
CONGRESSO DE UROLOGIA ALERTA: HOMENS DEVEM REDOBRAR OS CUIDADOS COM A HIGIENE DOS ÓRGÃOS GENITAIS PARA SE PREVENIREM DE DOENÇAS QUE PODEM RESULTAR EM CÂNCER

A trajetória masculina sempre foi cercada pela auréola da virilidade. A falta de cuidado consigo mesmo, porém, acaba fazendo do homem uma vítima do destino muito antes da mulher. Dados do Ministério da Saúde mostram que os homens vivem 10 anos a menos que as mulheres e tudo isto por falta de manutenção da saúde com visitas regulares ao médico.

Uma das especialidades ignoradas é a Urologia, por se tratar principalmente da intimidade do homem. O preconceito acaba sendo uma péssima justificativa e a falta de conscientização faz com que doenças associadas aos órgãos genitais masculinos tenham seus índices em ascensão. A unidade cearense da Sociedade Brasileira de Urologia, preocupada com os caminhos da saúde masculina realiza, entre os dias 11 e 13, no Vila Galé Praia do Futuro, o I Congresso Cearense de Urologia.

O evento contará com médicos brasileiros de renome internacional, como Dr. Augusto Olavo Xavier, Dr. Modesto Jacobino, e Dr. Roberto Colombo. Para o presidente da entidade no Estado, o urologista Anastácio Dias, a iniciativa é uma oportunidade para alertar os homens quanto aos perigos da falta de assepsia e realização de exames preventivos, bem como instruir acadêmicos e profissionais sobre as práticas mais recentes e eficazes no tratamento de doenças. "Estamos trazendo a nata da Urologia cearense e profissionais que, muitas vezes, só participam de eventos internacionais. É uma satisfação para nós que organizamos e uma possibilidade única para quem participa", afirma o médico.

A saúde masculina é mesmo um assunto delicado, mas que deve ser encarado de frente. O câncer de pênis, por exemplo, é uma doença que aumenta a cada ano no Ceará e o coloca na segunda posição dentre os Estados em que os casos resultam em amputação (12,87%). Em primeiro está São Paulo, com 24,26%. E as principais causas são a falta de higiene e a não utilização do preservativo. A demora em procurar um especialista resulta em quase mil amputações por ano no País.

No Congresso em Fortaleza, profissionais que atendem pelo Programa da Saúde da Família (PSF) participarão do curso "Saúde do Homem", que mostrará como o homem deve ser abordado pelos agentes durante as visitas domiciliares. "Ainda é uma deficiência. Vamos instruí-los para saber conversar com os homens, abordá-los sem causar constrangimento. E mostrar a importância de ir ao médico", diz Anastácio Dias.

Mais água e sabão

Para manter em ordem a higiene no pênis não há mistério. A dupla água e sabão é o melhor remédio. É natural a produção de uma substância branca no pênis, seu nome é esmegma. Sua função é lubrificar o órgão genital. Retirá-lo, diariamente, é tão necessário quanto limpar as axilas, escovar os dentes, tomar água. "Se o homem tem fimose, deve reforçar a limpeza do pênis. E se há casos de feridas, mesmo indolores, é preciso consultar porque pode ser uma doença sexualmente transmissível. Se a pessoa observa que elas não cicatrizam, o problema pode ser outro", destaca o urologista Guilherme Silva.

No Brasil, a doença representa cerca de dois por cento do total das neoplasias do homem e é mais comum nas regiões Norte e Nordeste. Nestas regiões de maior prevalência, os tumores de pênis chegam a superar, em número, as neoplasias da próstata e bexiga. "É onde os homens são mais machistas", ressalta Anastácio Dias.

Câncer de próstata

A estimativa para novos casos de câncer na população brasileira é de 56 mil para 2011, número nada agradável para situações que podem ser evitadas. Levantamento do Instituto Datafolha, a pedido da Sociedade Brasileira de Urologia, realizado em 2009, constatou que no caso do exame de toque para detectar o câncer de próstata, 76% dos homens afirmam ter conhecimento de sua importância, mas apenas 32% já o fizeram.

Aos 65 anos, o consultor de qualidade Victor Teixeira conta que, em 2008, passou pela experiência de detectar alterações no seu exame de Antígeno Prostático Específico (PSA). "O médico observou o aumento do antígeno e fiz uma biópsia da próstata. Felizmente meu problema foi amenizado porque lidamos com ele ainda no início. Com mudanças de hábito, praticando mais atividade física e melhorando a alimentação, os resultados mudaram para melhor", conta. Se não tivesse se prevenido, a realidade poderia ser outra. No Brasil, até a década de 70, os tumores eram diagnosticados sobretudo em homens a partir dos 65 anos. De lá para cá, vem aumentando a incidência entre aqueles que estão na faixa dos 50.

Conforme explica o presidente da SBU-CE, o homem deve desconfiar quando acha que nada está acontecendo. "Essa história de não sentir nada é que mais preocupa. Qualquer alteração no funcionamento do corpo deve ser comunicada porque se for detectado no começo, é uma doença que tem cura". Portanto, deixe o preconceito de lado e procure cuidar de si mesmo.

Como prevenir o câncer de próstata

Os homens devem se conscientizar, quebrar os tabus e se submeterem anualmente ao exame do toque retal e PSA. Se já existe histórico da doença na família, a atenção deve ser redobrada;

A partir do exame do toque o médico vai avaliar se houve alterações no tamanho e na consistência da glândula prostática;

PSA é uma proteína produzida pela próstata. A dosagem do PSA no sangue permite flagrar tumores de tamanho reduzido, que podem passar imperceptíveis ao toque retal;

Evite alimentos ricos em gorduras e pobres em fibras;

A ingestão de carne vermelha, leite e derivados aumentam os níveis de uma enzima que ativa a produção da testosterona. Em excesso, este hormônio pode facilitar o surgimento do câncer;

Recomenda-se comer três a cinco porções de frutas ou vegetais por dia.

MAIS INFORMAÇÕES

I Congresso Cearense de Urologia

Data: de 11 a 13 de agosto
Local: Vila Galé Praia do Futuro
Tel.: (85)3264-9297

RODRIGO COIMBRA
ESPECIAL PARA O VIVA

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.