Campanha

Mutirão contra dor chega à Fortaleza

22:28 · 04.06.2011
( )
A Cefaleia é o principal tipo de dor crônica apresentada pelos pacientes que procuram o serviço de dor no HUWC
A Cefaleia é o principal tipo de dor crônica apresentada pelos pacientes que procuram o serviço de dor no HUWC ( Foto: Arquivo )
INFORMAÇÃO: MÉDICOS ENSINAM COMO CONTROLAR E CONVIVER COM A DOR E MANTER A QUALIDADE DE VIDA

Sentir dor é um mecanismo de defesa próprio do organismo. Entretanto, quando esta ultrapassa três meses de duração, passa a ser considerada crônica. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), 30% da população mundial sofre com algum tipo de dor crônica e, grande parte não tem acesso ao tratamento adequado. Além disso, muitos não sabem identificar, prevenir ou tratá-las.

Para esclarecer a população brasileira sobre o tema, profissionais, professores e alunos dos cursos de graduação em saúde se reunirão no próximo sábado (11) em algumas cidades brasileiras no Mutirão Nacional de Educação em Dor. Em Fortaleza, o evento ocorre no shopping Center Um, de 9h às 12h.

O sucesso do evento fez com que fosse expandido, e a expectativa é de que, este ano, mais de mil pessoas sejam orientadas. Segundo o chefe do Serviço de Dor do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), dr. Osmar Aguiar, a campanha contará com a distribuição de panfletos, adesivos e cartazes explicativos. Espera-se que, a partir dessa iniciativa, tanto a população em geral quanto os profissionais deem mais importância ao tema.

Dor crônica

As dores crônicas mais frequentes são as dores na coluna, nas articulações, na face não relacionadas ao dente; dores de cabeça e as relacionadas a movimentos repetitivos. Vários fatores podem desencadeá-las, como traumatismos, doenças crônicas como diabetes, hipertensão arterial, má postura no trabalho, idade e sexo (idosos e mulheres tendem a sofrer mais com o problema) e estresse. "Em nosso serviço, quase 80% dos casos são referentes à cefaleia, e a maioria dos pacientes são de mulheres", revela o dr. Osmar Aguiar.

O tratamento muitas vezes não é capaz de promover cura, porém, com o devido cuidado, as dores podem ser controladas. Em Fortaleza existem o serviço de dor do Hospital Universitário Walter Cantídio, os ambulatórios do Hospital Geral de Fortaleza, do Instituto José Frota (IJF) e do Instituto do Câncer do Ceará. As consultas são marcadas nos postos e secretarias de saúde.

MAIS INFORMAÇÕES

Serviço de dor  (HUWF)
Rua Capitão Francisco Pedro, 1290, Rodolfo Teófilo
Fone: (85)3366.8161

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.