Na ativa

Gestante investe no treino funcional

00:32 · 07.05.2013
Exercícios com suporte profissional acompanhado de boa alimentação é fórmula certa às mulheres que desejam estar bem durante e após a gestação

Método que ganha adeptos a cada dia, o treinamento funcional é praticado desde a década de 1970, mas inova na metodologia aplicada e tem sido foco de interesse também das gestantes. O conjunto de exercícios busca garantir que movimentos básicos sejam executados com eficiência e de forma a melhorar a mobilidade e a estabilidade articular. Objetivo: fortalecer a musculatura que protege as articulações, proporcionando o mínimo possível de incômodos à gestante.

Na segunda gestação, Roberta Albuquerque mantém a rotina de exercícios FOTO: MARÍLIA CAMELO

Independentemente do momento de cada praticante, o treinamento funcional deve ser adaptado conforme as necessidades físicas da gestante, informa Leandro Pinto e Rafael Amaral, profissionais de Educação Física, ambos com formação em treinamento funcional.

Alongamentos dinâmicos e estáticos; manobras para fortalecer a região central do corpo (conjunto quadro pélvico-lombar) e proporcionar maior estabilidade; treinamento de força para a musculatura que protege e estabiliza as articulações, além de exercícios aeróbicos de baixa e média intensidade para melhorar o sistema cardiovascular são alguns dos exercícios que compõem um treino específico destinado às gestantes.

"A gravidez exige mais do corpo, pois o aumento de peso sobrecarrega as articulações (joelhos, tornozelos e quadril); e o crescimento da barriga modifica o centro gravitacional e aumenta a curvatura lombar", diz Leandro Pinto. "A própria condição da grávida e o histórico de atividades mantido antes da gestação devem ser avaliados para escolha dos exercícios", explica Rafael Amaral.

Caso da advogada Roberta Albuquerque, que pratica treinamento funcional desde 2009 e, durante a gestação do primeiro filho, Leonardo, ocorrida no ano passado, manteve a mesma rotina. "A primeira gestação foi perfeita. Não fiquei inchada, nem senti dores. Não sei se foi pelo treinamento funcional ou não, mas acredito que ele ajudou a me sentir bem. Percebia que era só a barriga que crescia", revela.

O treinador e profissional de Educação Física Fani Bezerra afirma que o quadro geral de Roberta era favorável a esse tipo de treinamento. "O que fiz foi regular a intensidade do treino e adaptar os movimentos conforme o seu histórico de condicionamento", relembra.

Conforto e segurança

São frequentes as dores na região lombar e na pelve decorrentes das alterações que acometem a postura da gestante, devido ao crescimento do útero e das mamas. Segundo Joaquim Luiz Moreira, ginecologista, obstetra e especialista em Nutrologia, essas dores podem ser aliviadas ou evitadas por meio de uma atividade física apropriada.

Para tanto, o médico indica yoga, pilates, hidroginástica, treinamento funcional e musculação, reforçando a necessidade da presença de um profissional de Educação Física qualificado. "Além de promover bem-estar e melhoria no condicionamento físico e na produção de substâncias endógenas (como endorfinas), auxilia no controle de doenças (diabetes), no trabalho de parto e na recuperação do pós-parto, além de melhorar as dores fisiológicas provocadas pelas alterações no organismo".

Na gestação, é preciso atenção redobrada quanto à pressão arterial e à intensidade dos exercícios: "Não devem ultrapassar 70% do rendimento cardíaco máximo, mesmo em mulheres fisicamente bem condicionadas". No pós-parto, são indicadas atividades sem peso (caminhada, corrida e bicicleta) após 45 dias. As demais modalidades estão liberadas após 90 dias. Seja qual for o exercício, eles elevam a autoestima, são aliados na perda de peso e no combate aos riscos de depressão pós-parto.

VICKY NÓBREGA
ESPECIAL PARA O VIDA

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.