FIBROMIALGIA

Expressão que acalma a dor

22:15 · 03.09.2011
( )
Mulheres com fibromialgia conseguem ter maior controle da dor difusa e recuperação dos movimentos através da arte
Mulheres com fibromialgia conseguem ter maior controle da dor difusa e recuperação dos movimentos através da arte ( Marília Camelo )
( )
Tratamento multidisciplinar une áreas como reumatologia, fisioterapia e psicologia à arteterapia, como aliados para fibromiálgicos abandonarem as restrições da doença

Conquistar a reabilitação, após a ocorrência de restrição dos movimentos provocada por algum acidente, trauma ou dor difusa parece ser um sonho impossível para uma classe de pessoas acometidas pela fibromialgia.

"Passei anos me sentindo totalmente diferente das demais pessoas. Era como uma estranha para mim mesma, sem entender porque ficava tão sem energia e cheia de dor", comenta Estela, 39, que preferiu ficar no anonimato, por trás do nome fictício.

Percebeu que avolumava as estatísticas dos 3% da população feminina (em geral, mulheres entre 30 e 60 anos) que sofre - quase sempre calada - com as consequências da fibromialgia, doença com causa desconhecida e sem tratamento específico. Diz ter perdido a conta do número de vezes que teve de pedir ajuda até para sair da cama, pois não tinha condições de se levantar. Sentia-se sempre tão envergonhada de suas restrições físicas, que passou a se esconder, recusando-se a sair de casa.

Comunicação

A dor crônica é exatamente desse jeito. Vai impossibilitando a socialização e excluindo cada vez mais o paciente, pela vergonha deste dizer que está com dor ou sequer conseguir trabalhar, esclarece a arteterapeuta, atriz e bailarina, Silvana Parente, 31.

Silvana há algum tempo lança mão dos recursos expressivos da dança e do teatro, como ferramenta para promover a reabilitação de pacientes fibromiálgicas. "Neste trabalho, procuramos levar as mulheres - já que são elas as maiores acometidas pela fibromialgia - a verem em seus corpos outras possibilidades de fazerem coisas além de só sentirem dor".

A comunicação, nestes casos em que a linguagem é bloqueada pela dor, e tanto pode como deve ser aplicada em sua forma expandida, ou seja, por intermédio de outros recursos além do linguístico.

A arteterapeuta realiza a partir de amanhã até o próximo dia 9, das 16 às 18h, no Museu da Imagem e do Som, oficinas de "Arteterapia para Fibromialgia" (www.silvanaparenttecosta.blogspot.com). O trabalho tem suporte do médico reumatologista e professor da Universidade de Fortaleza, Carlos Ewerton Maia Rodrigues, ambos pesquisadores do Hospital das Clínicas, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Ela agora conclui também estudos de sua tese de doutorado pela Universidade de Granada. As pesquisas - tanto no Brasil como na Espanha - revelaram grandes benefícios nas pacientes fibromiálgicas assistidas, que conquistaram amplitude de movimento, consciência corporal e alívio da dor.

ROSE MARY BEZERRA
REDATORA

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.