Exercícios realizados na água ajudam retardar as incapacidades funcionais - Viva - Diário do Nordeste

Hidrocinesioterapia

Exercícios realizados na água ajudam retardar as incapacidades funcionais

28.06.2004

Os exercícios são realizados de forma prazerosa e lúdica, possibilitando que o paciente neurológico seja assistido durante as várias fases da doença
Os exercícios são realizados de forma prazerosa e lúdica, possibilitando que o paciente neurológico seja assistido durante as várias fases da doença
Gustavo Pellizzon
Com o passar dos anos, é esperado que o corpo apresente problemas posturais, na marcha e em outras tantas atividades funcionais, como subir escadas ou levantar-se da cadeira. Quando utilizadas com propriedade, as técnicas fisioterápicas agem como uma ferramenta eficaz, sendo decisiva para a melhoria da qualidade de vida do idoso. A hidrocinesioterapia - que utiliza as propriedades físicas da água como recurso terapêutico associado à técnicas cinesioterápicas - figura entre as disciplinas do Curso de Especialização em Fisioterapia Neurológica Funcional, realizado pela Universidade de Fortaleza, sob a coordenação da professora Leila Maria Machado Bezerra. O fisioterapeuta Abdo Augusto Zeghbi, professor da Faculdade Evangélica do Paraná, Uniandrade e Dom Bosco (Curitiba) e integrante do corpo docente do curso de pós-graduação, indica as inúmeras possibilidades da técnica, inclusive no tratamento de patologias comuns na Terceira Idade, como osteoporose e osteartrites (doença degenerativa das articulações).

Viva - Em quais disfunções neurológicas - mais freqüentes em pacientes da Terceira Idade - os exercícios na água podem ajudar no processo de recuperação?

Abdo Zeghbi - Os pacientes idosos apresentam, na maioria das vezes, excesso de peso, ausência de exercícios ou atividades físicas dirigidas, osteoporose e osteatrites.O próprio processo de envelhecimento provoca várias alterações no sistema músculo-esquelético, cardiovascular e metabólico, entre outros. Os portadores de AVE (acidente vascular encefálico) que apresentam dificuldade ou paralisia em um lado do corpo, encontram na água a possibilidade de realizar movimentos com maior liberdade e menor peso corporal. Um indivíduo com água acima da região da pelve pesa 50% do seu peso corporal, enquanto com a água acima dos ombros chega a pesar apenas 10%, ou seja, uma pessoa com 70 kg pode pesar apenas 7kg. A água quente reduz a tonicidade excessiva apresentada pelos músculos, enquanto a pressão hidrostática mantém o corpo com maior sustentação na água.

- Até que ponto os resultados podem minimizar os efeitos da incapacidade do indivíduo, seja permanente ou não?

Abdo Zeghbi - Um exemplo típico é a osteoartrite. Embora a doença não tenha cura, em algum casos (quando tratada desde o início e com atividades dirigidas), o paciente pode obter uma boa qualidade de vida. A doença acomete diferentes níveis das articulações, principalmente na coluna e joelhos, locais onde ocorre uma maior degeneração das cartilagens. Também provoca o aparecimento de osteofitoses (conhecido popularmente como bico de papagaio) que estimulam dores locais (algumas distantes do local onde é originada a dor), a exemplo das irradiações existentes nas pernas e que partem da coluna. Nestes casos, a hidrocinesioterapia emprega exercícios de resistência progressiva, condicionamento muscular e cardiovascular, fazendo com que o indivíduo preserve seus movimentos, além de retardar algumas incapacidades funcionais. O peso é reduzido com atividades de baixo impacto.

- Existem correntes que consideram os exercícios na água contra-indicados para pacientes com osteoporose. Qual sua posição a respeito?

Abdo Zeghbi - O paciente com osteoporose tem indicação de exercícios físicos adequados e de reposição de cálcio. A assimilação do cálcio pelos ossos ocorre somente por intermédio da estimulação mecânica ou da exposição ao sol, ou seja, exercícios e movimento. A hidrocinesioterapia é indicada porque não provoca impacto nas estruturas, uma vez que os ossos e as articulações estão fracos e debilitados. Em alguns casos é a única possibilidade que o paciente tem para realizar uma atividade física em função do elevado grau de degeneração óssea.

- Até onde a motivação do paciente e as condições associadas podem influir no tratamento?

Abdo Zeghbi - Os resultados dependem de algumas variáveis, a exemplo do nível da lesão, extensão e tempo em que o quadro está instalado, evolução clínica da doença, histórico do paciente e do tratamento já realizado. É importante que a assistência ao paciente seja multiprofisional e interdisciplinar. A hidrocinesioterapia fornece estímulo e motivação aos portadores de doenças neurológicas (graves e/ou crônicos), uma vez que o tratamento é realizado de forma prazerosa e lúdica, possibilitando que o paciente seja assistido durante as várias fases da doença.

- Qual abordagem terapêutica é adotada para os pacientes com mal de Parkinson?

Abdo Zeghbi - A doença se caracteriza por um conjunto de sinais clínicos provenientes de lesões ou comprometimento dos núcleos da base (substância negra). Os pacientes apresentam dificuldades para iniciar os movimentos voluntários, assim como o comprometimento do tônus muscular (rigidez). O quadro provoca uma alteração geral do controle da postura e movimento, prejuízo para as reações posturais (equilíbrio) e do sistema de controle muscular (inervação recíproca). Os movimentos ficam lentos e pesados. O paciente com Parkinson apresenta dificuldade ou incapacidade para realizar marcha com passos alternados, mudanças de direção, ritmo e velocidade. A hidrocinesioterapia ajuda a equilibrar a postura e o movimento, facilitando o treinamento e a reeducação de várias das atividades funcionais.

- A obtenção do equilíbrio e segurança são fundamentais para o paciente neurológico. Como fazer para que ele volte a ficar confiante de forma a melhorar sua qualidade de vida?

Abdo Zeghbi - Este é um ponto muito forte na água, pois o meio facilita o desenvolvimento das reações de equilíbrio em pé, sentado e deitado, assim como as rotações corporais. A maioria dos pacientes neurológicos perde as reações de equilíbrio e não consegue mais transferir o peso corporal. O treinamento em diferentes profundidades de água, assim como a utilização de flutuadores durante os exercícios, auxiliam no seu processo de recuperação do paciente.

- Até onde o contato com a água pode ajudar no posicionamento corporal?

Abdo Zeghbi - Existem dois processos distintos em relação a postura. O primeiro é a deficiência de tônus ou falta de força muscular. A ausência é compensada pela redução do peso e melhora na sustentação dentro da água, possibilitando que o paciente assuma posturas de trabalho que não podem ser realizadas em outro ambiente. O segundo é exatamente o contrário do primeiro. Caracteriza-se pelo excesso de contração muscular (paciente hipertônico).Quando ele emerge na água com menos gravidade, ocorre uma diminuição de hipertonia. Essa condição gera um menor número de contrações dos músculos antigravitacionais, de forma a favorecer o trabalho do fisioterapeuta no desenvolvimento e controle da motricidade do paciente.

SERVIÇO: Informações sobre o curso de especialização “Fisioterapia Neurológica Funcional”: (85) 477.3178/477.3215 ou latosensu@unifor.br.

Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999