PREVENÇÃO

Evite contato com roupas suadas

23:14 · 23.04.2011
( )
Contato com roupas suadas, principalmente as de tecido sintético, potencializa o surgimento de doenças de pele
Contato com roupas suadas, principalmente as de tecido sintético, potencializa o surgimento de doenças de pele ( FOTO: ARQUIVO )

OS HOMENS TENDEM A TER MAIS DOENÇAS DERMATOLÓGICAS EM FUNÇÃO DO DESCUIDO COM A HIGIENE

O representante comercial José Lima (nome fictício), 23 anos, credita à falta de tempo a negligência com a higiene corporal diária. Justifica que após as sete horas de trabalho, correr para o treino na academia, (onde luta contra o sobrepeso), não sobra tempo para tomar uma ducha antes de ir para a faculdade.

Nosso personagem espelha bem a rotina de milhares de homens que apresentam enfermidades dermatológicas comuns em climas quentes e úmidos, principalmente nas áreas de dobras cutâneas (virilhas, axilas, região interglutea, entre outros lugares).

Tais doenças podem ser prevenidas com alguns cuidados de higiene, uma vez que a pele humana possui uma flora constituída por germes bacterianos ou fúngicos, que convivem normalmente, sem provocar doenças. Quando descuidamos da higiene, estes germes proliferam e podem se tornar patogênicos, acometendo especialmente pessoas idosas, obesas, diabéticas ou portadores de hiperidrose (suor excessivo).

Prevenção

"Por exercerem atividades de trabalho mais pesado - alguns viajam de carro ou praticam esportes arrojados - os homens precisam ficar mais conscientes da necessidade de banho e troca de vestuário sempre que estiverem mais suados", explica a médica dermatologista Maria José Diógenes, professora do curso de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Essa conscientização sobre os cuidados com a higiene íntima dos homens é compartilhada com o Dr. Lúcio Flávio Gonzaga Silva, professor do Programa de Pós-graduação de Cirurgia da UFC e de Oncologia Cirúrgica da Escola Cearense de Oncologia (Instituto do Câncer do Ceará). Segundo ele, "o homem brasileiro está despertando lentamente para o cuidado com a saúde, incluindo a preocupação com as medidas de profilaxia".

Entre as patologias mais frequentes, a médica destaca o intertrigo, caracterizada por eritema (vermelhidão), ardor e/ou coceira na região das dobras cutâneas, condição que deixa a pele mais susceptível à penetração de germes.

"Estes germes podem causar candidíase, tinha crural, tinha podal e outras micoses caracterizadas por coceira, eritema, descamação e outros sinais ou sintomas, além das infecções bacterianas: impetigo (bolhas de conteúdo purulento e/ou erosões), furúnculos (tumorações avermelhadas, dolorosas, quentes com pústula central que se rompem, liberando carnegão) e outras", informa a médica.

Além das predisposições individuais (peles mais sensíveis, indivíduos alérgicos, diabéticos e obesos), Dra. Maria José destaca o fator climático como um dos itens que mais contribuem para o surgimento dessas doenças. "O descuido nos hábitos de higiene e dos cuidados com o corpo inclui a permanência do contato com roupas suadas, principalmente as de tecido sintético".

Embora, na maioria dos casos, a gravidade não seja elevada, as doenças dermatológicas afetam principalmente a qualidade de vida dos pacientes. Ademais, quanto mais precoce for a procura por atendimento médico especializado, maior será a chance de sucesso no tratamento e menor a possibilidade da doença evoluir para cronicidade ou recorrências frequentes. No decorrer do tratamento, explica Dra. Maria José, "procuramos identificar fatores predisponentes (individuais e ambientais), orientar sobre os cuidados de higiene (de acordo com a área afetada), e prescrever medicamentos para combater algum germe. Muitas vezes precisamos recorrer a exames laboratoriais".

Por que os homens

A negligência dos homens para com a higiene pessoal não pode ser baseada em dados estatísticos, uma vez que as informações disponíveis no sistema de saúde são muitas vezes falhas ou incoerentes. "Por isso não podemos afirmar, diz a dermatologista, generalizando uma informação baseada apenas no Serviço de Dermatologia do Hospital das Clínicas da UFC, onde tivemos anos de experiência, assim como na prática do consultório".

Mas na prática tudo leva a crer que são as mulheres que mais procuram os serviços dermatológicos, "o que pode nos dar a ideia de que tais problemas ocorrem mais com as mulheres. Muitas vezes são os homens, por falta de tempo, que recorrem a uma consulta rápida com o médico vizinho, amigo ou parente não especialista. Outras vezes vão direto à farmácia, tratando-se de forma inadequada, o que pode levar a recorrências futuras ou gerar um portador sadio, identificado ao tratarmos impetigo, hordéolo, furunculose em filhos ou esposa, quando investigamos o foco da infecção", concluiu a médica.

Ao sair da academia....

Reduza ao máximo o contato com roupas suadas, principalmente as de tecido sintético;

Tome um bom banho na academia ou logo ao chegar em casa;

Enxugue bem o corpo. Atenção especial para as dobras cutâneas e pés (espaços interdigitais);

Após o banho, troque a roupa, dando preferência aos modelos confeccionados com tecidos 100% algodão;

Se trabalha em ambientes quentes (caminhando ou em veículos sem ar condicionado), deve levar uma mochila com toalha, sabonete, xampu, escova e pasta de dentes, meias de algodão, camisa e cueca de reserva;

Procure tomar um banho nos intervalos durante o dia de trabalho;

Se apresentar sudorese excessiva, também incluir no kit calças e bermudas em tecido de algodão;

Não esqueça de se enxugar bem, evitando o hábito pouco higiênico de "ficar molhado para se refrescar do calor".

No contexto das políticas de saúde

Na história da prevenção de doenças, priorizou-se o câncer de colo uterino e as DST´s. Por isso, as mulheres foram mais chamadas aos consultórios particulares ou sistema público de saúde, considerando que os órgãos sexuais femininos, internos, podem abrigar doenças silenciosas ou pouco sintomáticas de maior gravidade (câncer), ou transmissível e potencialmente grave e incapacitante (sífilis).

Os homens, cujos órgãos sexuais são externos, foram esclarecidos sobre manifestações clínicas para procurar tratamento quando doentes. Depois foram instruídos sobre a camisinha, exames sorológicos, mas nunca para consultas de rotina. A vaidade e cuidados com o corpo sempre foram mais estimulados no sexo feminino, enquanto os homens, culturalmente devem ser mais fortes, portadores da força física e arrojados no trabalho, sentindo-se com mais obrigações para prover a família. Isso os torna mais estressados, com menos tempo para a ida ao médico e cuidados pessoais. Eles têm a pele que podem ser tão sensíveis quanto a das mulheres e precisam de orientações preventivas para evitar as doenças dermatológicas. Apesar desses aspectos estarem passando por mudanças, ainda perduram e, na maturidade, quando chegam as cardiopatias e doenças que necessitam de mais cuidados, é que eles perceberão que seus organismos não são tão fortes quanto a musculatura de quem tem bons níveis de testosterona. Parecem mais descuidados, mas talvez as próprias políticas de saúde tenham contribuído para isso, além dos costumes sociais com a beleza onde há sempre maior exploração comercial dos itens de higiene feminina.

Dra. Maria José Diógenes
*Médica dermatologista

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.