Bem estar

Deixe o sol entrar

17:39 · 17.09.2011
( )
Atenção redobrada para os seres microscópicos que habitam armários (quarto de dormir, banheiro e cozinha)
Atenção redobrada para os seres microscópicos que habitam armários (quarto de dormir, banheiro e cozinha) ( Reprodução )
Assim como um girassol, que movimenta-se durante o dia, sempre em direção à luz, a estrutura da residência também deve ser capaz de aproveitar ao máximo a luminosidade solar. Segundo Euler Muniz, até as 9 horas e após as 16h30min, o sol emite os comprimentos de onda desejáveis, os que fazem bem à saúde humana. "É preciso montar as janelas de modo a aproveitar a luz solar benéfica de forma direta. O sol é um bactericida e precisa entrar livremente no ambiente", diz.

As elevadas médias de temperatura e umidade registradas em Fortaleza durante o ano inteiro, favorecem o aparecimento frequente de mofo. Os ácaros são microrganismos que proliferam na poeira em ambientes quentes, úmidos e sombreados das moradias. Assim, além da ajuda da luz solar, Dra. Francisca Xavier recomenda atenção especial aos vazamentos e a verificação periódica das áreas úmidas da casa, como banheiros, áreas abaixo de pias e armários. "Se permanecer o problema, deve-se usar uma solução de ácido fênico (entre 3% e 5%) que pode ser aplicada nos locais mofados", indica a alergologista.

Atenção aos horários

Há horários, porém, em que o sol incomoda e é prejudicial. Para evitar maiores desconfortos, Euler Muniz garante que é possível adaptar o ambiente criando artifícios para filtrar a luz e o calor do sol excedentes.

"Nas janelas onde o sol atravessa com mais intensidade, pode-se colocar persianas, que definem o ângulo de entrada da luz. Além disso, elementos da fachada, como esquadrias e venezianas, permitem o controle da luminosidade que interessa e impossibilita a passagem da luz prejudicial", explica o arquiteto.

Arborização

Para quem mora em casa, uma boa solução para filtrar a luminosidade é manter uma cobertura vegetal na parte exterior do imóvel, principalmente na face principal e naquela que recebe maior incidência dos raios solares.

"Árvores com coberturas mais intensas geram maior conforto. O sol incide sobre os objetos através de um comprimento de onda. Parte dessa onda é refletida, o que faz com que se veja os objetos. Uma outra parte se torna energia calorífica, que aquece. Se há algum sombreamento, não haverá essa transformação do comprimento de onda em energia, então não ocorre a transmissão de calor. A cobertura vegetal contribui para que um determinado proporcione um maior conforto", esclarece.

Cidade linear

As árvores também podem servir como barreira para a poluição sonora vinda diretamente das ruas. Euler Muniz cita um projeto urbanista espanhol conhecido como ´cidade linear´ (ciudad lineal).

O modelo consiste em colocar, entre as vias de trânsito e as edificações, uma área de vegetação que absorve parte do barulho produzido pelos veículos, além de proteger os pedestres contra possíveis acidentes de trânsito.

Relógio biológico

Todas as funções do corpo humano funcionam obedecendo a uma sincronia que leva em consideração os períodos do dia. Quando uma pessoa passa bastante tempo num ambiente fechado e climatizado, tende a perde a percepção da passagem do tempo.

De acordo com Euler Muniz, uma tentativa de amenizar o problema é o uso de luzes de LED. Diferentes das lâmpadas fluorescentes e incandescentes, mais comuns no mercado, as luzes de LED variam a intensidade luminosa no decorrer do dia. Mesmo assim, não são a solução ideal. "Quando se começa a trabalhar o ambiente todo de forma artificial, a pessoa altera o relógio biológico, interferindo nas próprias necessidades fisiológicas, porque o ambiente modificou todo o processo natural", afirma o professor.

Segundo a Dra. Francisca Xavier, a permanência frequente em ambientes fechados pode ocasionar uma série de problemas de saúde: "Nos últimos 40 anos tem ocorrido um aumento expressivo no número de pessoas com doenças alérgicas, principalmente as respiratórias. Esse rápido aumento se deve a múltiplos fatores, sendo o estilo de vida atual, com maior permanência em ambientes fechados, um dos mais importantes", alerta.

Prevenção

De acordo com Dra. Francisca Xavier, estudos mostram que, em todo o Brasil, para o alérgico, os elementos mais patogênicos dentro de casa são os ácaros, seguidos das baratas, epitélios de animais e fungos (mofo). Para evitar desconfortos e proporcionar um ambiente mais saudável para a família, o cuidado com o lar deve ser permanente. Mesmo quando se convive com uma estrutura menos confortável, segundo Euler Muniz, sempre é possível adaptar um ambiente, de modo a melhorar a comodidade dos moradores. "Da mesma forma que é necessário ir ao médico quando se sente dor, é importante ter contato com o arquiteto antes de adquirir um imóvel, pois é um investimento que, na maioria das vezes, é para vida toda", afirma o professor.

Além disso, alguns cuidados nos hábitos de limpeza da casa podem contribuir para manter o bem-estar dos moradores: "Nunca teremos um controle total do ambiente em que vivemos, porém podemos mantê-lo o mais saudável possível seguindo algumas orientações, como manter a casa bem ventilada e ensolarada, livre de poeira, evitar tapetes, cortinas, almofadas, livros, bichos de pelúcia, o cigarro e animais de pelo dentro de casa, assim como combater o mofo e a umidade, principalmente no quarto de dormir", orienta Dra. Francisca Xavier.

Os 10 mandamentos do alérgico

Troque a roupa de cama pelo menos 1 vez por semana. Use capas impermeáveis no travesseiro e colchão. A rede de dormir deve ser lavada 1 vez por semana e guardada diariamente;

Limpe o ambiente doméstico diariamente utilizando pano um pouco úmido. Mantenha a casa bem ventilada. Evite usar vassoura , espanador e umidificador de ar;

Exclua tapetes, carpetes, cortinas, bichos de pelúcia. Prefira pisos de fácil lavagem (cerâmicos, sintéticos); 

Evite animais domésticos (gatos e cães) dentro de casa (dê preferência a um aquário com peixes). Se impossível, dê banho no animal 1 vez por semana. Evite vasos com plantas no quarto;

Não permita umidade e bolor nas paredes. Conserte os vazamentos;

Mantenha as roupas secas e protegidas da umidade em sacos plásticos, quando guardadas por um longo período. Procure lavar as roupas, se possível, em água quente, a uma temperatura de 55°C;

Faça uma dedetização periódica da residência, combatendo a presença de baratas;

Não fume e evite permanecer em locais com fumantes;

Pratique esportes com regularidade; dê preferência a ambientes ao ar livre;

Siga as orientações de seu médico

Fonte: Dra. Francisca Xavier de Mello Rego, presidente da Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia (Ceará)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.